Siga-nos

Perfil

Expresso

Sala de pânico

BCE carregou no acelerador mas bancos continuam cautelosos

  • 333

O Banco Central Europeu (BCE) cumpriu o objetivo de comprar ativos no valor de 60 mil milhões de euros no primeiro mês no seu novo programa que arrancou em março. Só que, apesar dos efeitos visíveis em vários segmentos no mercado - taxas de juro, bolsas ou câmbios, por exemplo - a verdade é que há sinais de que, para os bancos, nem tudo está resolvido.

O objetivo final deste tipo de políticas de expansão quantitativa - quantitative easing, na terminologia inglesa - é conseguir estimular a economia e a procura através de uma redução das taxas juros. Redução essa que, em condições normais, se deveria transmitir à procura agregada - consumo e investimento, principalmente - através do crédito: os novos financiamentos são mais baratos e os antigos, com taxas indexadas, tornam-se igualmente menos dispendiosos.

Só que, na realidade, a banca europeia está longe de vender saúde e o crédito não tem fluido como pretendido pelo BCE nos últimos meses apesar de inúmeras medidas que foram sendo adotadas. As estatísticas do banco central mostram que, desde o arranque do programa no início de março, houve um aumento das contas correntes dos bancos junto do BCE - que são uma espécie de antecâmara onde os fundos ficam parados depois de injetados pela política monetária antes de serem e onde se incluem também as reservas obrigatórias - e também da facilidade de depósito (uma aplicação que o BCE disponibiliza mas que, atualmente, implica um custo já que tem uma taxa de juro negativa de 0,2%).

O gráfico que reproduzimos, feito a partir de dados do BCE, mostra esta evolução a partir de março. Em média por dia, no mês de abril, os fundos estacionados na facilidade permanente de depósito a pagar juros ascendem a 83,7 mil milhões de euros de euro e na conta corrente dos bancos atingem 271,8 mil milhões de euros.

Em março, já com o programa de compra de dívida em andamento, a média da facilidade de depósito foi de 49,2 mil milhões de euros e da conta corrente de 237,5 mil milhões.