Siga-nos

Perfil

Expresso

Quem venceu as eleições regionais no Reino Unido?

  • 333

No passado dia 5 de Maio os Britânicos voltaram às urnas para eleger os seus representantes regionais em Inglaterra, os representantes no parlamento da Escócia e na assembleia do País de Gales.

Embora todos reclamem vitória e ninguém assuma a derrota eleitoral, tal como geralmente acontece em Portugal, interessa fazer o balanço destas eleições e tentar adivinhar para onde poderá pender o eleitorado. E os políticos.

Em Inglaterra os Trabalhistas de esquerda mantiveram o controlo de 58 regiões, apesar de terem perdido 18 representantes, enquanto os Conservadores de direita perderam 1 região e 48 representantes, controlando agora 38 regiões.

Na Escócia os independentistas do SNP formarão governo minoritário com 63 deputados (perderam 6 face às últimas eleições), faltando apenas 2 deputados para a maioria, enquanto os Conservadores se assumem agora como a 2ª força política com 31 deputados (ganharam 16) e relegam os Trabalhistas para 3º partido mais votado, com 24 deputados (perderam 13).

No País de Gales os Trabalhistas ficaram a 2 representantes da maioria, tendo elegido 29 (perderam 1), tendo o 2º lugar sido obtido pelos nacionalistas do Plaid Cymru com 12 eleitos (ganharam 1), relegando os Conservadores para 3ª força política com 11 representantes (perderam 3). De referir a entrada do UKIP ao eleger 7 representantes dos nacionalistas.

Estas eleições eram consideradas um teste à liderança dos Trabalhistas de Jeremy Corbyn (eleito há 8 meses) e da sua ala esquerda no partido, tendo algumas previsões considerado ser possível a perda de até 150 representantes regionais em Inglaterra.

Não tendo a derrota sido tão severa como previsto inicialmente, foi o pior resultado de um partido da oposição a seguir a umas eleições legislativas em 30 anos. No entanto, as importantes cidades de Londres e Bristol viram os Trabalhistas subir ao poder, tendo sido apresentadas como sendo as suas grandes vitórias.

Corbyn escolheu estar presente na tomada de posse em Bristol em detrimento da capital, onde o novo Mayor Sadiq Khan aproveitou para começar a campanha para a liderança dos Trabalhistas no final do seu mandato em 2020, a tempo das eleições legislativas.

Ficou claro que Sadiq Khan venceu as eleições em Londres e tentará vencer o partido, tal como Boris irá agora tentar a liderança dos Conservadores, após 8 anos consecutivos de liderança de Londres.

Pouco tempo depois da sua tomada de posse, já foi dizendo que só se ganham eleições se o partido conseguir alcançar eleitorado para além dos seus activistas do costume, contrariando a estratégia do actual líder de virar à esquerda, após vitória da direita de Cameron com maioria absoluta nas últimas eleições.

Para tal, defende que é necessário pôr de parte questões internas e ideológicas e falar de matérias que realmente interessem aos cidadãos. Nomeadamente convencer os eleitores que podem confiar nos Trabalhistas para gerir a economia e a segurança, para além da melhoria dos serviços públicos e de maior justiça social.

Especialmente aos cidadãos de direita e empresários que votaram nos Conservadores da última vez, numa clara mensagem ao líder do partido e aos seus críticos.