Siga-nos

Perfil

Expresso

&conomia à 3ª

A culpa é do Estado?

  • 333


A culpa é do Estado?

Portugal é um país pequeno em termos europeus. Todos conhecem todos ou conhecem alguém que conhece. Não são só as estreitas relações entre políticos e empresários, agora muito na moda, que espartilham a sociedade portuguesa.

A falta de responsabilidade e de responsabilização criam um ambiente de impunidade e um sentimento de injustiça. Em toda a sociedade.

Os titulares de cargos públicos, quer sejam políticos ou técnicos, agem e decidem sempre de consciência tranquila, pois independentemente do resultado das suas decisões sabem que dificilmente serão responsabilizados.

A falta de responsabilidade advém principalmente da falta de responsabilização. A falta de responsabilização por parte dos seus pares, dos seus superiores, das entidades reguladoras e das supervisoras, dos investigadores, das entidades judiciais e, em última análise, dos eleitores.

O sentimento de injustiça alimenta o ambiente de impunidade. Os crimes vários que são praticados contra o bem-comum e contra a vida já nem mexem o ponteiro da (in)justiça. Como diria um ex-Primeiro Ministro: “é a vida…”

O “nacional porreirismo” permite viver anestesiado em vez de vacinado. Cada vez é mais difícil impressionar negativamente os portugueses, que já viram acontecer tudo e de tudo. Várias vezes. E que pouco parecem importar-se.

A sua pouca exigência enquanto utilizadores de serviços públicos e privados, consumidores e eleitores é fruto da sua grande capacidade de adaptação. Certamente grande demais, porque já vai sendo tempo de sair da anestesia e procurar uma vacina para tamanha incapacidade do Estado.

A visão benévola do Estado protector, enquanto garante do bem-estar social e subsidiador de todas as actividades em benefício de todos e de cada um possui inúmeras desvantagens. Talvez a principal delas seja mesmo a desresponsabilização que cada um sente na sua relação com o Estado. Por responsabilização do Estado em relação a tudo.

O problema de responsabilizar o Estado por tudo de bom que nos deve acontecer, é ter que responsabilizar o Estado por tudo de mal que acontece. Sem ser necessário, nem sequer aconselhável, responsabilizar/culpabilizar alguém pelo caminho. Para não ferir susceptibilidades e porque estão todos de consciência tranquila. Como sempre.

Mas parece que agora o objectivo primordial de reforçar a segurança nacional está mais próximo de ser cumprido, pois com a criação de leis anti-piropo, através de penas de prisão para este tipo de criminosos, será mais fácil condenar alguém por tamanha crueldade do que responsabilizar directamente alguém pelas mortes de doentes/pacientes nos hospitais públicos pelo crime de abandono.

Votos de um Ano de 2016 mais exigente. Mas desta vez a sério.