Siga-nos

Perfil

Expresso

Eficiência vs. ganância

A 11.ª edição do NOS Alive esgotou a mais de três meses do arranque do festival, com um total de 165 000 espetadores. O bilhete diário para 14 de julho, onde os Pearl Jam são cabeça de cartaz, esgotou ainda em dezembro de 2017. Se tantos foram os que ficaram de fora de um evento que, diga-se, teve um dos melhores cartazes de sempre, é esperado que muitos bilhetes sejam revendidos a preços superiores aos preços fixados pelos promotores do evento.

A revenda especulativa, hoje muito facilitada pela existência de plataformas de revenda online, é, em Portugal, proibida. Basta 1 euro acima do valor tabelado para que o vendedor incorra no crime de especulação. Desde 2017, que a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), através da sua Unidade Nacional de Informações e Investigação Criminal, tem levado a cabo ações de investigação e vigilância das vendas online de bilhetes. Foi no âmbito destas ações que foram detidos 7 indivíduos em flagrante delito, identificadas mais 3 pessoas e instaurados 10 processos crime por especulação de bilhetes para o NOS Alive 2018. Os bilhetes em causa, com preços unitários faciais entre 65 euros, para bilhetes diários, e 149 euros, para passes, estavam a ser vendidos a preços entre os 100 e 230 euros.

Para um economista, a existência de um mercado secundário de revenda de bilhetes é um sinal de que a procura é superior à oferta. Resultado: o preço dos bilhetes está abaixo do que muitos consumidores estariam dispostos a pagar.

Se os bilhetes para grandes eventos estão consistentemente subvalorizados ao ponto de existir um mercado negro a céu aberto, porque é que os promotores dos eventos não sobem os preços?

Há duas explicações possíveis. Uma é que os promotores dos eventos são avessos ao risco. Estes preferem ter a certeza que conseguem vender todos os bilhetes, maximizando as vendas de bens complementares dentro do recinto, como, por exemplo, os comes e bebes. Este argumento é consistente com a “teoria da influência social no preço” de Gary Becker, a quem foi atribuído o prémio nobel da economia em 1992. Mais especificamente, Becker mostrou que a procura de certos bens e serviços aumenta com o número de consumidores. Ou seja, o interesse num determinado festival ou concerto pode ser maior se mais pessoas estiverem interessadas. Isto explica porque é que existem restaurantes com filas à porta e outros ao lado, tão bons ou melhores, que estão às moscas. Neste caso, parece óbvio que os proprietários dos restaurantes muito procurados podem e devem aumentar o preço, mas esta estratégia é arriscada. Se perderem uns poucos clientes, outros podem simplesmente ir atrás, e uma vez “out” é difícil voltar a ser “in”.

A segunda explicação, mais romântica, é que os bilhetes devem ser vendidos a um preço justo e a quem seja verdadeiramente fã. Este argumento, é defendido por vários artistas e bandas, tais como os Arty Monkeys, PJ Harvey, Adele, Chance the Rapper, que têm levado a cabo algumas ações para combater a revenda especulativa.

Sem quer contestar a importância de um preço justo, a verdade é que os mercados secundários de revenda podem promover o bem-estar social, ou, como dizem os economistas, permitirem ganhos de Pareto. Por exemplo, se alguém tem um bilhete para um concerto e, por algum motivo não pode ir, e se existe outro indivíduo que esteja disposto a pagar por esse bilhete um preço mais alto do que o preço tabelado, a transação permite aumentar o bem-estar de ambos. Se a revenda não for de todo possível, existe um desperdício de recursos. Neste sentido, as plataformas online de compra e venda de bilhetes aumentam a eficiência, reduzindo os custos de transação. Por um lado, estas plataformas fornecem, de uma forma mais acessível, a informação sobre preços e a disponibilidade a pagar dos compradores, e por outro, permitem que as trocas sejam feitas mais facilmente.

No entanto, o mundo não é cor-de-rosa. Os indivíduos não agem todos de boa fé e a revenda não serve apenas para tornar felizes uns quantos fãs que não compraram o bilhete atempadamente. O excesso de procura, combinado com a facilidade de revenda, abre o apetite ganancioso de muitos. Foram criadas estratégias para comprar bilhetes em grandes quantidades que são depois revendidos ao dobro ou ao triplo do preço inicial. Esta atividade, que os economistas apelidam de rent seeking, não é benéfica para os consumidores e destrói potenciais ganhos de eficiência. Neste sentido, a venda de bilhetes através de plataformas online veio criar maiores oportunidades para comportamentos de rent-seeking. Por exemplo, é possível instalar scripts e programas, que conseguem ultrapassar as medidas de segurança dos sites, e comprar automaticamente grandes quantidades de bilhetes. A própria Ticketmaster, que lutou contra sites de revenda como Stubhub, e que criou a TM+, o seu site oficial de revenda, foi acusada várias vezes de redirecionar os bilhetes diretamente para a TM+, mesmo antes de os colocar à venda a preços tabelados. Nestes últimos anos, a nível mundial, tem aparecido legislação que visa impedir estas atividades especulativas. Veja-se, por exemplo, “The Better Online Ticket Sales Act”, que Barack Obama transformou em lei federal, em 2016, proibindo a compra em massa de bilhetes que seriam depois revendidos no mercado secundário a preços especulativos.

Como evitar a especulação e ao mesmo tempo garantir a eficiência?

Uma possibilidade seria através de mecanismos de ajustamento automático de preços. A Uber segue este modelo, por exemplo aumentando as tarifas em momentos de maior procura. No entanto, esta opção não agrada os artistas, que têm receio que desagrade os fãs. A verdade é que desagradar os fãs não é difícil. Foi o que mostrou Taylor Swift ao adoptar uma solução “anti-especulação” supostamente benéfica para os fãs. Mais concretamente, Taylor Swift, anunciou que quem mais visse os seus vídeos e mais comprasse a sua música, teria prioridade na compra online de bilhetes. Na prática, saltariam à frente na fila de espera. Mas como de boas intenções o inferno está cheio, as críticas não se fizeram esperar e a cantora foi acusada de tirar proveito comercial com esta solução.

Há outras estratégias para reduzir a revenda e especulação que agradam mais os fãs. Os Arctic Monkeys, por exemplo, publicaram na sua página online que todos os bilhetes adquiridos iriam ter o apelido do comprador impresso, nome esse que não seria possível de ser alterado. Outros artistas privilegiam a venda barata de bilhetes e a realização de múltiplos concertos no mesmo local, o que reduz os custos e limita a revenda, pois permite utilizar o bilhete em datas alternativas que não estejam esgotadas.

Por último, uma outra alternativa, seria a realização de uma lotaria. Ou seja, em vez de se comprar um bilhete de ingresso garantido, comprar-se-ia um bilhete de admissão na lotaria. Quando a procura excedesse a oferta, os compradores seriam aleatoriamente selecionados e aos não selecionados o montante seria devolvido. Este mecanismo já é usado para selecionar participantes em alguns grandes eventos desportivos. Por exemplo, desde 2014 que a maratona de Chicago usa uma lotaria. Nesse ano, em 6 minutos, mais de 60000 mil participantes inscreveu-se, bloqueando o site, o que obrigou a uma lotaria de emergência para selecionar os 45000 participantes. Desde então, os corredores amadores, que não tenham tempos mínimos para serem selecionados automaticamente, ficam sujeitos a um processo aleatório.

Seja quais forem as medidas, legais ou outras, para evitar a especulação, desde que exista excesso de procura, vai sempre haver quem dê a volta e consiga pôr uns tostões ao bolso. Ainda ontem, a propósito do NOS Alive, recebi uma oferta da china: “vendo felicidade, e ao comprador ofereço um passe de dois dias para o NOS Alive. Preço, 180 euros.”