Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Falta de castigo

Tais pais tais futuros pais

  • 333

Uma escola de Portimão de 1º ciclo, no Pontal, para prevenir agressões nos intervalos das aulas, não raras, e promover entre os alunos comportamentos adequados, desenvolveu um projecto pedagógico muito suspeito.

Uma "patrulha de segurança", constituída por um professor e dois alunos de turno, identificados com um t-shirt branca com as iniciais "PSP" (Patrulha de Segurança do Pontal), faz rondas durante o recreio, anotando o nome dos alunos mal comportados.

Convenhamos que a designação "PSP" não é feliz, nem criativa. Remete inevitavelmente para um papão, a polícia. E a escola deve ser tudo menos um simulacro de quartel. Os seus espaços exteriores não devem confundir-se com uma parada.

À parte esta minudência, o projecto parece bem pensado. Está aprovado pelo conselho geral do Agrupamento que tem também uma escola de 2º e 3º ciclo. Desenvolve uma boa prática uma vez que coloca um professor no recreio - onde há falta de funcionários -a contemplar alunos, alguns muito "remexidos". Coisa exótica, uma vez que o habitat natural de um docente é a sala de aula, a sala dos professores, ou o divã doméstico para deprimir.

O "código deontológico" da patrulha de segurança, estabelece que situações dignas de registo são apenas as de agressões físicas ou verbais, quando forem ofensivas para alunos, familiares, funcionários e professores e a "má utilização" das instalações, equipamentos e materiais.

Alguns poucos pais, e apenas de uma das vinte e uma turmas do agrupamento, gente fina e bem educada, ficaram escandalizados com o projecto. Consideraram-no "anti-pedagógico" e propiciador de situações de "bullying" (?). E, movidos pelo inefável instinto protector das suas crias em risco, escreveram cartas ao director do Agrupamento, o mau da fita, à Direcção-Regional de Educação do Algarve e à Inspecção-Geral de Educação e Ciência. É a bafienta praxis de bufar em vez de dialogar. Artilharia pesada, portanto. Contra quem pretende fazer um esforço para acabar com a indisciplina e a violência na escola, nomeadamente entre crianças dos 6 aos 10 anos!

O director do Agrupamento suspendeu de imediato o projecto naquela turma. Acabou com os traumatismos cranianos destes pais. Crânios seguramente exemplares, imagino. Lá em casa quem manda, como ditam as boas regras hodiernas, deve ser, e bem, o petiz. E quem obedece...

Tenho a impressão que, quando estes filhos forem pais, os actuais encarregados de educação daquela turma não vão seguramente ser vítimas de "bullying" gerontológico.

Velhos, gastos, abandonados, os seus filhos não vão ter tempo para reparar neles. Bem. Sempre poderá haver um ou outro que se dê conta de que cheira mal, há uns dias, na casa solitária de um avozinho hirto. O que constitui sempre um bom pretexto para escrever uma carta. No mínimo à Segurança Social a reclamar o pagamento do funeral do defunto querido.