Siga-nos

Perfil

Expresso

A ação indispensável

Foi a ação, a intervenção e a luta dos trabalhadores e das populações que derrotaram PSD e CDS e impediram que hoje fossem Governo.

Foi a ação, a intervenção e a luta dos trabalhadores e das populações que possibilitaram a recuperação e a conquista de direitos e rendimentos importantes, como são exemplo a reposição dos salários e as 35 horas de horário de trabalho na administração pública, ou a reposição dos feriados, ainda que limitados e insuficientes, nesta nova fase da vida política nacional.

A ação, a intervenção e a luta dos trabalhadores e das populações são indispensáveis para ir mais longe na reposição e na conquista de novos direitos.

Há inúmeros problemas que são amplamente sentidos como o desemprego, a precariedade, os baixos salários, a caducidade da contratação coletiva e a retirada de vários direitos aos trabalhadores, que exigem a rutura com estas opções e a adoção de uma política de valorização do trabalho e dos trabalhadores.

A 18 de abril os professores estiveram na rua em luta pela valorização da carreira, pelo seu descongelamento e pelas progressões; pelo combate à precariedade defendendo a integração na carreira ao fim de três anos de desempenho de funções permanentes (eliminação da norma travão); pela clarificação dos horários de trabalho definindo o que é tempo letivo e não letivo e pela gestão democrática nas escola, valorizando a gestão colegial em detrimento da gestão unipessoal, alargando a participação de professores, funcionários e estudantes na gestão da escola.

No dia 21 de abril estarão em luta os funcionários das escolas. Para além da enorme carência de assistentes operacionais que é preciso dar resposta; lutam pela alteração dos critérios de atribuição de assistentes operacionais e técnicos nas escolas, atendendo às necessidades específicas e a realidade concreta de cada escola; pelo combate à precariedade, defendendo que todos aqueles que fazem falta todos os dias sejam integrados na carreira e lutam pela valorização da carreira.

A defesa da Escola Pública passa pela valorização dos seus trabalhadores, de forma a assegurar as condições de trabalho adequadas ao processo de ensino/aprendizagem de qualidade, tal como a existência de um Serviço Nacional de Saúde de qualidade, eficaz e que responda às necessidades dos utentes passa também pela valorização dos profissionais de saúde, das suas carreiras e do respeito pelos seus direitos. No setor da saúde está marcada uma greve dos médicos para os próximos dias 10 e 11 de maio, entre outros, pelo pagamento na integra das horas extraordinárias para todos.

Ainda a 21 de abril estarão em luta os trabalhadores da administração local pela valorização das carreiras e pelas progressões, a reposição do poder de compra e a regulamentação do subsídio de insalubridade, penosidade e risco, atendendo aos fatores de risco a que muitos destes trabalhadores estão sujeitos e que são prejudiciais à sua saúde.

Preparam-se já as comemorações do 25 de Abril e do 1º Maio, Dia do Trabalhador. Se foi com a luta que os trabalhadores e o povo português conquistaram importantes direitos, será também pela luta que se alcançarão novas conquistas. Por isso é importante a participação nestas jornadas de luta, pelos direitos, em defesa da contratação coletiva e do princípio mais favorável ao trabalhador, contra a desregulamentação dos horários de trabalho, contra a precariedade e a instabilidade laboral e pela valorização das carreiras e das remunerações.