Siga-nos

Perfil

Expresso

Trocando em miúdos

Contra as privatizações e solidariedade com o povo grego

  • 333

 

O PCP marcou para o próximo dia 2 de julho ao final da tarde em Lisboa uma Marcha contra a privatização dos transportes, a qual incluirá uma ato público de Solidariedade com o Povo Grego.

1. Prossegue a política privatizações. O Governo está a proceder à venda a desbarato de empresas estratégicas para o desenvolvimento do país, como a TAP, a EGF, a CP Carga ou a EMEF, que se não for travada juntar-se-ão à REN, EDP, CTT, PT, GALP, BRISA, CIMPOR ou ANA, que hoje não servem os interesses do país, mas os interesses de quem as possui.

A política de privatizações da responsabilidade de vários governos em nada beneficiou o país. Os processos de privatização já concluídos e os que estão em curso só beneficiaram e beneficiarão os interesses privados. Uma auditoria do Tribunal de Contas realizada às privatizações da REN e da EDP refere que os interesses nacionais não foram acautelados, assim como constatou a falta de transparência nesses processos, como aliás o PCP sempre denunciou nestes e noutros processos de privatização. 

É o desenvolvimento do país e a nossa soberania que estão colocados em causa. As privatizações significa a submissão da nossa economia aos interesses dos monopólios, a degradação dos serviços prestados, o seu encarecimento, a retirada de direitos dos trabalhadores e a destruição de postos de trabalho. Para os grupos económicos o que importa é a obtenção de lucro e não o desenvolvimento do país, nem a salvaguarda dos interesses públicos.

O aceleramento dos processos de privatizações em curso só demonstra o profundo desrespeito e desprezo deste Governo pelo património de todos nós. 

Por isso, é urgente travar as privatizações, defender o interesse nacional e isso só é possível através do controlo público de empresas e setores estratégicos da nossa economia.

2. É inaceitável a pressão, a chantagem e a ingerência da União Europeia e do FMI contra o povo grego, desrespeitando completamente as suas opções e os princípios democráticos.

Caiu a máscara da “União Europeia da Coesão e da Solidariedade”. A evolução da situação, evidencia que não há solidariedade, nem a coesão, mas a intenção de impor ao povo grego e aos trabalhadores uma política de exploração e de extorsão dos seus recursos. Nunca estiveram verdadeiramente interessados em contribuir para a resolução dos problemas dos trabalhadores e do povo grego. O seu objetivo é impor uma política que vá ao encontro dos interesses do capital e do diretório de potências da União Europeia, política que está na origem na desastrosa situação económica e social da Grécia.

É inaceitável também a posição assumida pelo Governo PSD e CDS-PP e do Presidente da República, de total conivência com o processo de chantagem contra o povo grego.