Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

É preciso topete

Imposto sobre depósitos rendia 13 mil milhões de euros em Portugal

  • 333

Paulo Gaião

Qual seria o resultado de um imposto extraordinário em Portugal sobre os depósitos bancários,  semelhante ao que o Chipre foi obrigado este fim-de-semana a aplicar para receber ajuda financeira da troika (9,9% de taxa sobre valores superiores a 100 mil euros e 6,75% para valores inferiores a esta quantia)?  

O relatório do Fundo de Garantia de Depósitos publicado no ano passado (respeitante a 2011) refere que há 16,4 milhões de titulares de depósitos bancários em Portugal.

Destes, apenas 197.276 depositantes têm valores superiores a 100 mil euros, o que corresponde a 1% do número total de depositantes.

Estes 197.276 depositantes são detentores, segundo o relatório do Fundo de Garantia de Depósitos, de 65,6 mil milhões de euros, o que corresponde a 41,5% do montante total de depósitos em Portugal, que é de 158,1 mil milhões de euros.

Os números da poupança portuguesa são, como se vê, bastante impressivos em termos das assimetrias existentes.  

1% de portugueses é detentor de 41,5% dos depósitos bancários.

Os depositantes com saldos inferiores a dez mil euros representam, segundo os números do relatório do Fundo, 83% do número total de depositantes, ou seja 11 milhões de depositantes.

Estes 83% de depositantes detêm apenas 14,5 do total de depósitos.

Por sua vez, 16% de depositantes, cerca de 5 milhões de titulares, têm depósitos entre dez mil euros e 100 mil euros, representando 44% dos depósitos.

É  fazer as contas, aplicando as mesmas taxas do Chipre.   

9,9% de taxa sobre 197.276 depositantes com mais de 100 mil euros, perfazendo 65,6 mil milhões rende cerca de 6,5 mil milhões de euros de receitas de impostos.

6,75% de taxa sobre os restantes depositantes com menos de 100 mil euros, perfazendo 92,5 mil milhões de euros, gera cerca de 6,2 mil milhões de euros.   

Um total de quase 13 mil milhões de euros de receitas em impostos.