Siga-nos

Perfil

Expresso

O poema ensina a cair

Raquel Marinho

"Esta gente que se levanta de peito e escreve para não matar ninguém"

  • 333

Raquel Nobre Guerra tem um livro publicado e outro a ser preparado para sair este ano. Todos os poemas que escreveu até 2007 estão enterrados no cemitério de Caneças, com a sua avó. Aceitou ler "Pura", um dos seus poemas, e escolheu ainda António José Forte para ser lido na rubrica "O Poema Ensina a Cair", que sai às sextas, no Expresso Diário.

Nasceu em Lisboa. Estudou num colégio de freiras até se licenciar e mestrar em filosofia e investiga atualmente para o doutoramento em Literatura Portuguesa a categoria de "fragmento" na obra de Fernando Pessoa.

O poeta do desassossego foi, talvez, o primeiro de quem ouviu falar nas tardes em que ia para o café Nicola, no Rossio, com a avó: "Eu tinha 5, 6 anos e foi ela que me disse que o Pessoa costumava lá ir. Lembro-me de ter estranhado o nome e de ter perguntado: como é que uma pessoa se pode chamar Pessoa?" Mais tarde, pela voz de uma professora de português, conheceu a Ilha dos Amores do Canto IX dos Lusíadas, e percebeu o que a poesia podia ser: "A minha professora emocionou-se quando leu o Canto IX. Eu estava na quarta ou na quinta fila, vi-lhe os olhos verdes ficarem marejados, e estremeci."

Começou a escrever poemas por essa altura, durante a adolescência, num caderno oferecido pela mãe "reciclado e com conchas na capa", mas tinha "muita vergonha" de os mostrar. Era o tempo em que ouvia Chico Buarque e Rita Lee e "corava muito com a palavra amor", e em que tudo o que escrevia era guardado como um segredo que não pode ser encontrado. .

Ninguém encontrou esses poemas nem vai encontrar algum dia porque em 2008, quando morreu a avó de Raquel Nobre Guerra, morreu também toda a produção poética até esse ano. Num acto que considera "simbólico, impulsivo e adolescente", mas do qual não se arrepende por ter sido também "de amor", despediu-se dos poemas quando se despediu da avó: "Eu tinha os meus textos todos guardados numa disquete que pus entre as mãos da minha avó durante o velório. A disquete foi com ela. Os meus poemas até 2007 estão todos enterrados no cemitério de Caneças."

Em 2012 lançou o primeiro livro de poesia, GROTO SATO, e ganhou o prémio PEN CLUB Primeira Obra: "O livro resultou de coisas novas mas também há muitos poemas que foram rescritos de coisas antigas. É um livro com várias idades." Fala de GROTO SATO como uma obra "que pretendeu fixar de forma definitiva aquilo que estava em marcha há muitos anos", e que a fez aproximar-se daquilo que é: "Como se me tivessem passado um microfone para as mãos e eu quisesse lá pôr todas as pessoas que abracei na vida."

O próximo livro, a ser publicado em 2015, será diferente do primeiro "como se eu me tivesse apropriado de mim com uma maior lucidez, autenticidade: o querer dizer nunca é o dizer, eu gostava de um dia conseguir dizer em vez de querer dizer."

A par da investigação para o doutoramento e da preparação do novo livro, é DJ numa danceteria ao Cais do Sodré. Tem dois pares de sapatos, "um para os amigos, outro para a Academia."