Siga-nos

Perfil

Expresso

Keynesiano, graças a Deus

Ai disse, disse!

Nicolau Santos

Nicolau Santos

Diretor-Adjunto

A reação dos partidos políticos à intervenção de José Sócrates na RTP pautou-se pela afirmação de que não teria dito nada de novo.

Como é óbvio, o que pretendem é desvalorizar o regresso do ex-primeiro-ministro à ribalta. Mas goste-se ou odeie-se Sócrates, vai ser difícil ignorá-lo pela simples razão que, como disse José Miguel Júdice, ele é um político altamente profissional, que está a léguas de distância de Passos Coelho ou de António José Seguro - goste-se ou odeie-se, insisto.

O que disse José Sócrates de novo? Quatro coisas. 1) Fez o mais violento ataque em democracia a um Presidente da República, culpando-o diretamente pela crise política que levou à queda do anterior Governo e à atual solução governativa. Ninguém o tinha dito com tanta brutalidade. Ninguém tinha dito que foi ele a mão por trás do arbusto. Ninguém tinha dito que foi ele o patrono da crise política e desta solução governativa, com a qual está completamente comprometido.

2) Sublinhou que o PEC IV tinha o apoio do BCE, do Conselho Europeu e da Comissão Europeia. Não era claro para toda a gente embora a irritação de Angela Merkel com o chumbo do PEC IV constitua uma possível confirmação. Isso não quer dizer, como é evidente, que o PEC IV seria o buraco da agulha por onde escaparíamos sem ter de pedir um resgate ao FMI. Mas que havia apoio da União ao PEC IV, lá isso havia.

3) Nas parcerias público-privadas, uma das principais acusações que lhe faziam, Sócrates lembrou que das 22 PPP existentes só 8 lhe podem ser atribuídas. E que recebeu encargos de 23 mil milhões com as PPP, que reduziu para 19 mil milhões quando deixou o Governo. Os números são oficiais, estão nos Orçamentos do Estado - e contrariam o discurso que tem sido feito sobre esta matéria.

4) No que toca ao memorando, recusou que o que está em prática tenha sido o documento que assinou. Disse que já houve sete mudanças e que muitas medidas - subida do IVA para a restauração e para a energia, corte de meio subsídio de Natal logo em 2011 e confisco dos dois subsídios à função pública em 2012 - não estavam no documento original, o que é verdade. Se se podia fugir a elas ou seguir outro caminho, é outra discussão que o ex-primeiro-ministro defende, ao dizer ao Governo para parar de escavar o buraco da austeridade.

Na entrevista à RTP-1, Sócrates ajustou contas com o passado e reivindicou o direito a defender a sua versão dos acontecimentos e a ser comentador televisivo, tanto mais que, lembrou, quatro ex-líderes do PSD tem espaços desse tipo nas televisões.

A partir de agora, vai ser um crítico feroz da atuação do Governo. Os seus comentários terão também danos colaterais sobre a atual direção do PS.

José Sócrates disse que não vem à procura de nenhum cargo. Logo veremos. Mas o que ele vem fazer é política pura e dura. Cavaco, Passos e Seguro que se cuidem.