Siga-nos

Perfil

Expresso

A Europa desalinhada

O grande bluff atómico

Atrasos, custos inflacionados, erros de construção: o novo reactor de Olkiluoto, na Finlândia, devia ser o florão da indústria nuclear europeia, mas concentra defeitos e põe em causa o futuro do ramo.

Clique para saber tudo o que se passa na Europa

Um dos centros mais decisivos para os desafios energéticos do futuro é a terceira central nuclear de Olkiluoto, de 3 mil milhões de euros, a primeira construída no continente europeu desde o terrível acidente de Chernobil, em Abril de 1986.

Para a empresa francesa Areva, líder mundial em energia nuclear civil, não se trata apenas de um grande projecto, mas do símbolo de uma nova aurora. Dotada de um reactor EPR [European Pressurised Reactor] - "de terceira geração" -, a instalação finlandesa pretende servir de cartão de visita a exibir pelo "lobby" do átomo, que está a viver um ressurgimento em estado de graça, tão enérgico como inesperado. No entanto, nada corre bem no gigantesco estaleiro! Os atrasos multiplicam-se, ao ponto de a activação, inicialmente prevista para 2009, ter sido protelada para 2011. Segundo as mais recentes notícias, estará mais para 2013.

O pior é que foram denunciados muitos defeitos por ONG internacionais, a começar pelo Greenpeace, que fez de Olkiluoto o seu principal cavalo de batalha contra os perigos insensatos que o ressurgimento da energia nuclear fará correr à humanidade.

Desde o início dos trabalhos, há quatro anos, o Greenpeace recenseou mais de mil "incidentes" de construção ou brechas de segurança nos procedimentos do estaleiro. Litania que, contra todas as expectativas, não desanimou a população: mais de 55% continua favorável ao átomo. Um paradoxo, dado que, em 1986, os finlandeses foram dos primeiros europeus a encarar a possibilidade de ver passar por cima deles a nuvem radioactiva de Chernobil.