Siga-nos

Perfil

Expresso

Crónicas de uma Muçulmana

Venham daí mais visitas papais!

A Câmara de Lisboa tem uma acção de limpeza de pastilhas elásticas nos locais de maior trânsito turísitico. Bem! Muito Bem! O entrevistado dizia que era uma acção que ajudava a limpar a cidade para a visita de "Sua Santidade". Ora, ora! Então não somos orgulhosamente parte da Europa laica?!

Faranaz Keshavjee (www.expresso.pt)

Ouvi agora numa estação da rádio que a Câmara de Lisboa tem uma acção de limpeza de pastilhas elásticas nas principais ruas de Lisboa, i.e., nos locais de maior trânsito turísitico. Bem! Muito Bem! O entrevistado da equipa da "Gum Buster" dizia que era uma acção que ajudava a limpar a cidade para a visita de "Sua Santidade" o Papa. Ora esta é que eu não esperava! Então não somos uma república laica?! Não separou já a Igreja a César o que é de César?! E, como dizem orgulhosamente os cristãos em geral, "nós, ao contrário dos muçulmanos, já fizémos a separação entre Estado e Igreja"? E depois, "Sua Santidade" nem andará pelas ruas a pé...infelizmente. Mas eu cá vejo as coisas pela positiva e até gostaria que "Sua Santidade" viesse aqui à Quinta das Conchas passear um pouco. O ar é muito bom e o cenário natural também. Pena é que a gente que aqui vive, e que pode ostentar animais domésticos, que toda a gente sabe que não custa barato, anda a falar aos telemóveis enquanto os seus "pufi-pufis" cagam aí pela relva, onde brincam crianças alegremente. No outro dia chamei a atenção a uma destas, mas a menina-bem, coitadinha, não tinha saquinho com ela... só o telemóvel! Pobrezita! A Junta de Freguesia, ou a Câmara (nunca se sabe quem tem autoridade - empurram sempre as responsabilidades uns sobre os outros ) devia ter um depósito de saquinhos no jardim, a custo razoável para os devidos efeitos.

Reconheço que até simpatizo com toda esta cultura católica pois em miúda ia à igreja com a turma de religião e moral e aprendia imenso sobre o "pai nosso". Fico contudo, confusa quando no meio de tanta vaidade sobre o bem que paira sobre a fé que se separou dos assuntos da vida pública, tem um parlamento que fecha os trabalhos alguns dias antes da celebração religiosa, e desejando "feliz Páscoa" tira mais uns diazinhos de férias, para ajudar a engordar a prática do "dolce far niente", num país que precisa de superar, pelo menos, a grave crise de pobreza.

Mesmo assim, e porque até compreendo o nacionalismo religioso do bom "tuga", memso o dos ateus e agnósticos, acho bem; acho bem que se limpe o ambiente! Acho até que devíamos convidar Sua Santidade a vir mais vezes aqui ao país, e a passear por aí, a pé, como fazia Jesus. Era bom para a saúde - a dele e a nossa, já agora.