Siga-nos

Perfil

Expresso

O racismo não é ocasional, Pedro Calado

“Os portugueses não são genericamente racistas. Mas, como todos os outros, temos preconceitos”. A frase é de Pedro Calado, Alto-Comissário para as Migrações, portanto, o responsável máximo do órgão que se dedica ao combate contra o racismo em Portugal.

A sério?

Portugal não é um país racista, eis a insistência no discurso negacionista com consequências graves para um problema real – o racismo – que, por este caminho, não vai encontrar solução.

Não vejo como combater o racismo sem primeiro o reconhecer. O racismo não é uma soma de preconceitos aqui e ali verificados, interpessoais, sem expressão suficiente para o afirmarmos como fenómeno.

Quem o sabe não são apenas os negros brutalizados em esquadras, as comunidades ciganas perseguidas em vários locais, os agredidos na Urban Beach, os negros e as negras que vão a julgamento e são condenados a penas mais severas por causa da cor da sua pele ou a jovem colombiana que virou “preta de merda” e ficou com a cara num bolo.

Quem o sabe são todas as pessoas racializadas, vítimas de racismo diário, permanente, na relação com outros e na relação com as instituições, no acesso ao emprego ou na promoção no emprego, na segregação a que estão vetadas em termos habitacionais.

Sabem. Quem pode faz-se ouvir e reivindica um lugar na cidade e na leitura histórica dessa mesma cidade – para espanto de alguns cronistas orgulhosos de uma narrativa única da “epopeia portuguesa”.

E sabem os anónimos e as anónimas à espera da sua vez.

De nada serve aprovar uma lei contra a discriminação racial se quem está à frente do Alto-Comissário para as Migrações reduz o racismo a preconceito ocasional, se não tem consciência – tal como eu devo ter – do que é o privilégio branco, se não percebermos todas e todos que esta guerra ainda está no início (daí tanto incómodo) e que o racismo é estrutural.

Não nos diminui em nada dizer que Portugal é um país racista. Pelo contrário: é o pressuposto para uma luta eficaz.