Siga-nos

Perfil

Expresso

Esquerda, moderação e fanfarronice

Recapitulemos um pouco a história recente. Em janeiro deste ano Mário Centeno, sob o fogo da crítica à geringonça e à possibilidade de o PS ficar refém do Bloco e do PCP, garantia que o Orçamento do Estado para este ano de 2016 (atrasado devido às eleições e formação do Governo) era moderado, equilibrado e responsável

Passados nem 10 meses e perante a crítica de o Orçamento agora em discussão, para 2017, não ser muito diferente dos orçamentos anteriores, fossem os governos de esquerda ou de direita, sob o fogo da crítica do Bloco e do PCP a certas medidas, o mesmo Centeno garante que este é um Orçamento de esquerda.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Centeno: “Este é um orçamento de esquerda”

    Ministro das Finanças entregou e apresentou o OE ao início da noite de sexta-feira. Ao Expresso, respondeu aos que criticam o documento. Fim da sobretaxa do IRS gera polémica. Quem perde e quem ganha com o OE-2017. Pensões e contratação coletiva atrasaram conclusão do OE. Redução do défice para 2017 corresponde a 1500 milhões de euros. O que muda nos impostos. Educação e Saúde lideram aumento de despesa. Bruxelas mais preocupada com banca do que com o défice

  • PSD ameaça processo orçamental

    Sociais-democratas acusam Governo de esconder informação atualizada sobre a execução orçamental de 2016 e estimativas até ao fim do ano. Sem esses dados, pode estar em causa a audição de Mário Centeno na terça-feira