Siga-nos

Perfil

Expresso

Brasil: os irmãos não se escolhem

  • 333

Caso não fosse trágico seria divertido. A sessão da Câmara Federal de Deputados (Parlamento) que votou o impedimento de Dilma foi um espetáculo simultaneamente trágico e cómico. Uma tragicomédia, portanto

Entre invocações do nome de Deus, do Grande Arquiteto do Universo, dos mais diversos santos, das igrejas para nós mais desconhecidas (como a Quadrangular), dos nomes das mulheres (em brasileiro comum, esposas), filhos, pais, mães netos (mas com os nomes escarrapachados), diversos parentes falecidos, cada um ia dizendo se era a favor ou contra.

O lado do contra, o lado de Dilma, chamou àquele circo um golpe. Mas esquece que fez vários circos semelhantes. O que ontem se viu, madrugada dentro em Lisboa, foi um estilo de fazer política que agora condenamos, mas que já praticámos. O que ali temos, foi também deixado por nós, uma cultura de berraria e de extremos que talvez se exceda e aqueça demasiado em climas tropicais.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso)

  • Dilma derrotada no parlamento

    Por 365 votos contra 135, a destituição de Dilma vai agora ser apreciada pelo Senado. Mas a crise está longe do fim. Dilma prepara contra-ataque. Novos processo judiciais e avanços na Lava Jato vão continuar a incendiar o Brasil

  • Brasil à beira de um ataque de nervos

    Com cerca de dez minutos de votação na Câmara dos Deputados, oposição e defensores de Dilma Rousseff gastam os últimos cartuchos. Há manifestações pró e contra Dilma em 25 estados brasileiros. Só em Brasília a polícia espera mais de 300 mil pessoas nas ruas, entre defensores e apoiantes