Siga-nos

Perfil

Expresso

O crime de pensamento sem Orwell

  • 333

Na novela 1984, escrita em 1949 por George Orwell, aparece o ‘crime de pensamento’ (‘thoughtcrime’), o ‘pensar criminoso’ (‘crimethink’) e, para controlar tão terríveis desvios, a ‘Polícia do Pensamento’ (‘thinkpol’) na célebre ‘novilíngua’ criada para a felicidade dos povos

A ‘thinkpol’, através da vigilância e da psicologia, tenta eliminar aqueles que pensam em desafiar a autoridade vigente. Aliás, a personagem principal do romance – se é que a personagem principal não somos nós todos – de nome Winston Smith, escreve a determinada altura que “o crime de pensamento é a morte”.

Bom, mas 1984 é um romance. Podemos imaginar que algo deste estilo possa afetar uma democracia, uma nação que se orgulha da sua liberdade? Na verdade podemos. E não é uma nação qualquer, não é Angola e a fraude do julgamento dos ativistas que liam um livro, é mesmo os Estados Unidos da América. Assunto criminoso: as alterações climáticas.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso)