Siga-nos

Perfil

Expresso

Mas quais refugiados, seus (nome impronunciável)?

  • 333

Peço já desculpa pela irritação que me provoca este tema, mas, de facto, penso que o caso não é para menos. Entre os milhares de pessoas que se pronunciam sobre terrorismo, atentados e matanças, temos sempre aquelas que dizem que isto é fruto da política aberta na receção aos refugiados

Talvez seja altura de nos entendermos acerca de duas coisas: a primeira é que, infelizmente, do meu particular ponto de vista, não há nenhuma política aberta da Europa em relação aos refugiados; a segunda é que nenhum dos grandes atentados que até agora fustigaram a Europa foi feito por refugiados. Mesmo a histeria coletiva que se viveu na noite da passagem de Ano em Berlim veio, mais tarde, a saber-se que, no essencial, nada tinha a ver com sírios ou refugiados de outros locais.

Compreendam, assim, que eu fique deveras irritado quando, perante a barbárie de Bruxelas aparecem os comentadores do costume a falar sobre a vaga de migrantes e de refugiados. Uma coisa é o terrorismo e outra, muito diferente, é quem foge dele. Haverá, ainda assim, uma mão cheia de terroristas que aproveitam este movimento para se deslocarem para dentro da Europa? É possível, mas só quem está de má-fé pode querer fazer pagar os refugiados todos por uma mão cheia de bárbaros.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI