Siga-nos

Perfil

Expresso

O nu, o sexo e os ladrões

  • 333

Eu sei que sou um pouco exagerado por ser aí a 345ª vez que escrevo sobre a decadência dos valores ocidentais, mas sinto que é necessário escrever outras tantas, para que certas cabeças tomem consciência de que isto não é apenas uma questão de moda ou de mais ou menos igualdade. É uma questão de sobrevivência

Como todas as ideias têm consequências, aquelas que nos tornam mais fracos, menos ligados à realidade e mais egoístas e gananciosos tendem a dar cabo de nós como comunidade de homens (propositadamente não escrevo ‘e de mulheres’, porque elas sempre estiveram implícitas na ideia de comunidade de homens, uma vez que nenhum homem existiu sem que uma mulher o desse à luz). E minam-nos, retirando-nos a liberdade através da linguagem, do olhar, das relações humanas; tornando-nos ridículos, absurdos, inumanos.

Começa isto por vir a propósito de os Musei Capitolini, em Itália, ter coberto os nus das estátuas ali expostas (entre as quais o famoso Hércules Capitolino) de forma a não ofender o líder iraniano Rouhani. Isto é de loucos, de insanos. No Irão, onde cobri a guerra Irão/Iraque nos anos 80, nós, ocidentais, éramos proibidos de tudo e mais alguma coisa para não os ofender. De beber álcool a usar desodorizante. Mas a casa era deles. Na nossa, não temos de proceder como se fosse deles.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI