Siga-nos

Perfil

Expresso

Aparelho de Estado

Quando os jornalistas têm uma relação difícil com a estatística

O mérito é do Luís Rainha, que deu pela asneira. O mais impressionante é ninguém mais ter dado por ela.

Vasco M. Barreto

A partir de um estudo em que entre os abusadores sexuais os pais das vítimas são 19%, o DN conclui que "há 19% de pais incestuosos" e não fornece mais elementos que nos permitam saber como foi feito o estudo. Sem pretender ofender a inteligência de ninguém, convém ter presente que esta lógica é uma poderosa ferramenta de transformação social. Se a percentagem de mulheres na prisão for de 5%, o DN concluiria que "5% das mulheres estão na prisão"... Hum, pouco impressionante. Talvez alguém então pensasse num título mais espectacular. Se 5% dos presidiários são mulheres, então 95% são homens. Agora sim, temos manchete: "95% dos homens estão na prisão".

Não estamos perante uma gralha, mas sim diante de falhas de raciocínio e de revisão graves. A notícia desinforma quando diz ao país que um quinto dos pais são incestuosos. Um quinto. Isto dá 6 encarregados de educação incestuosos nas reuniões de pais de uma turma de 30 alunos. Veja bem a quem aperta a mão.

Com franqueza, o único instante da clarividência do jornalista que redigiu a notícia foi não a assinar.