Siga-nos

Perfil

Expresso

Aparelho de Estado

Importam-se de avisar a ministra da Educação, sff

Inês Teotónio Pereira (www.expresso.pt)

Daqui a dez anos os meninos que têm agora doze anos vão querer entrar no mercado de trabalho. Um mercado onde não haverá PTs, nem RENs, nem GALPs, nem institutos públicos, nem administração pública, nem subsídios de emprego, nem rendimentos mínimos, nem empréstimos ao consumo, que os valha. Um mercado a sério: difícil, competitivo e selectivo. Onde quem está bem preparado  talvez consiga arranjar emprego, casa, carro, ir de férias e fazer compras no Pingo Doce, e onde quem não está preparado, está tramado.

Esses meninos estão agora, hoje, numa escola onde não se chumba, não se exige, não premeia e não ensina.

As gerações futuras, além de terem de carregar com a dívida nacional dos paizinhos e pagá-la,  vão herdar uma educação miserável que os está a preparar para concorrer ao rendimento mínimo e não ao mercado de trabalho.

Safam-se os meninos que têm paizinhos com poder económico para poderem escolher as escolas dos filhos e comprar a sua educação. Os pobres, que se tramem. É mais uma conquista de Abril, pá.