Siga-nos

Perfil

Expresso

Aparelho de Estado

Do contribuinte

ou como os prejuízos têm sempre um ponto de vista.

Miguel Cardina

A TAP vai pedir ajuda ao Estado para fazer face aos prejuízos causados pelo cancelamento dos voos durante a "crise" das cinzas vulcânicas islandesas. A verdade é que os passageiros foram tão ou mais prejudicados do que as companhias de aviação. Boa parte não quis ou não pode permanecer dias nos aeroportos, esperando por um voo sem data. Restou-lhes apanhar um comboio ou autocarro ou, nos casos mais drásticos, optar pelo aluguer de um automóvel. Portanto, se a TAP pretende também ressarcir os seus passageiros defraudados, acho muito bem e é só dizerem que mando já o NIB. Se não, é favor o Estado retirar desse cheque futuro que o senhor Fernando Pinto almeja embolsar a quantia de 107 euros, que foi quanto me custou a viagem de autocarro Paris-Coimbra, e enviar para a morada que consta na minha declaração de rendimentos.