Siga-nos

Perfil

Expresso

Telegramas da saída limpa

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

A curiosa batalha de Isabel dos Santos

A empresária angolana Isabel dos Santos nunca tinha dado uma entrevista a um jornal português. Que eu tenha visto, falou uma vez ao “Wall Street Journal” e sentou-se para um almoço/entrevista com o “Financial Times” em Londres. Das duas vezes, as prestações mediáticas não correram especialmente bem. As justificações da sua fortuna e a ideia de que era a mulher mais rica de África por mérito próprio não entusiasmaram os repórteres dos dois maiores jornais financeiros do mundo. Na verdade, a falta de entusiasmo (ou ceticismo) desses artigos tinha outra razão: Isabel dos Santos não tinha, na altura, quase nada para dizer.

Agora, com a importante entrevista que deu ao “Jornal de Negócios” e a transformação da sua conta de Instagram e Twitter numa espécie de trincheira, as coisas mudaram. Não só tem coisas para dizer, como contas a acertar e uma agenda que é fundamental seguir.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Sonangol e Isabel dos Santos em guerra aberta

    Não pára de escalar a tensão entre a Sonangol e Isabel dos Santos. A filha de José Eduardo dos Santos viu-se obrigada a vir a terreiro defender-se das graves acusações de desvios de fundos e de burla de que está a ser acusada pela petrolífera angolana. Deu esta segunda-feira, pela primeira vez, uma entrevista em Portugal, mostra documentos para provar que está a dizer a verdade em relação ao pagamento dos dividendos da Galp à Sonangol e está ativamente nas redes sociais a afirmar que é alvo de uma campanha política, defendendo que tudo não passa de uma manobra de diversão. Isabel dos Santos desafia mesmo, num vídeo publicado no Instagram, a Sonangol a provar em 24 horas o que tem dito sobre os seus salários. “É uma mentira revoltante”, atira