Siga-nos

Perfil

Expresso

Telegramas da saída limpa

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

Theresa May 2021

É muito cedo para se conseguir calcular os efeitos políticos das eleições antecipadas em Inglaterra. Mas a convocação de eleições para junho, anunciada esta manhã, é uma jogada inteligente de Theresa May. A primeira-ministra assumiu a liderança do governo inglês na sequência da demissão de David Cameron, na ressaca do Brexit e sem um programa político que a mandatasse para uma negociação sem precedentes com Bruxelas.

Ao ir a votos fica politicamente legitimada - perante os eleitores e o seu próprio partido -, tem maior margem política nas negociações do Brexit e ganha tempo para uma nova ida às urnas. No fundo, e partindo do princípio de que ganha estas eleições sem grande dificuldade, May está a adiar a primeira ida a votos depois do Brexit para 2021.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)