Siga-nos

Perfil

Expresso

Telegramas da saída limpa

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

Trump já está a pensar no que vai fazer a seguir

Quando um candidato a uma eleição presidencial num país com uma longa democracia põe antecipadamente em causa a credibilidade dos resultados está a pôr em causa os fundamentos da própria democracia.

Donald Trump está a trilhar esse caminho há algumas semanas e esta madrugada deu o salto em frente ao recusar-se a dizer, no último debate televisivo com Hillary, que aceitará o resultado eleitoral. É um gesto sem precedentes na história dos EUA e não é uma brincadeira, apesar de ser um disparate. E não é uma brincadeira porque depois de ter devastado o Partido Republicano e de quase chegar à Casa Branca, Trump vai prosseguir a sua caminhada de implosão, em benefício próprio e de alguns apoiantes, assente numa base popular bastante vasta.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • “Agora depende de vocês” (e Trump diz que isso pode ser uma fraude)

    “Quero manter o suspense”, respondeu o candidato republicano quando o moderador Chris Wallace lhe perguntou se vai respeitar o “princípio democrático” de aceitar os resultados eleitorais (provavelmente favoráveis a Hillary Clinton, segundo as mais recentes sondagens). Foi a última vez que os dois candidatos se bateram num frente a frente antes da ida às urnas, a 8 de novembro. “Agora a decisão depende de vocês”, concluiu o moderador dirigindo-se aos espectadores americanos. Mas Trump diz que alguns desses “vocês” vão votar sem estarem autorizados a fazê-lo e que Hillary nem sequer devia estar na corrida eleitoral. E resumiu tudo a um substantivo: “fraude”

  • Há um fantasma de guerra civil a pairar sobre a sociedade americana

    Este é um texto escrito antes do último debate Trump/Hillary que pode e deve ser lido a seguir ao debate. Porque a contextualização de um acontecimento relevante como este é tão válida antes como depois do evento que a motivou. É que a tensão que existia antes não vai desaparecer após o debate - e é preciso acompanhar e explicar essa tensão enquanto ela evolui e se modifica, para que se entenda a complexidade desse grande espetáculo americano que é a corrida presidencial. O embate começa às 02h de Portugal Continental

  • Trump apostou tudo em Las Vegas, mas no partido já se pensa em 2020

    Donald Trump esgotou no debate televisivo desta quarta-feira (madrugada de quinta em Portugal) uma das últimas oportunidades para recuperar nas sondagens, tentando reconquistar o voto das mulheres conservadoras que não lhe perdoam os alegados escândalos sexuais. E será que conseguiu? Congressistas republicanos dizem ao Expresso que o melhor é o partido começar já a pensar em 2020