Siga-nos

Perfil

Expresso

Telegramas da saída limpa

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

Brasil, não é um golpe mas também não sei bem o que é

  • 333

O quase certo afastamento de Dilma Rousseff da Presidência do Brasil é um golpe? Ainda ontem, no Expresso Curto, o meu colega Valdemar Cruz perfilhava essa tese, que assenta em dois factos indiscutíveis: Dilma foi eleita sem margem para dúvidas e não está sob investigação judicial.

Ou seja, a sua legitimidade eleitoral está intacta e a Justiça não pôs em causa a sua idoneidade. Nesse sentido, o seu caso não tem rigorosamente nada a ver com o impeachment de Collor de Mello, afastado do Palácio do Planalto por escândalos de corrupção.

Aqui chegados, a tese de que é um golpe, liderado pelos partidos mais à direita e pelos oportunistas que mudam de campo aproveitando a baixíssima popularidade de Dilma e a profunda crise económica brasileira, ganha muita força.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Direto vídeo: a batalha de Dilma, dia 2

    Presidente suspensa em maio continua a enfrentar uma câmara alta do Congresso maioritariamente hostil. Votação final do processo de impeachment pode acontecer já esta quarta-feira

  • Falta ao processo de destituição da Presidente do Brasil tudo para ser legítimo: uma base legal sólida, respaldo constitucional, justificação política e autoridade moral. Apesar de reconhecer e aplaudir os ganhos sociais conseguidos pelos anos de governação do PT, fui muito crítico em relação à degenerescência ética que tomou conta do governo. Mas não é a corrupção que move os promotores deste golpe, quase todos bem mais descarados no roubo do que aqueles que pretendem julgar. Querem garantir que chegado o tempo das vacas magras não se perdem os privilégios que representam e que sejam os de sempre a pagar sozinhos a fatura da crise. E querem salvar-se eles mesmos de qualquer julgamento pelos seus crimes

  • Combatente Dilma

    A presidente brasileira, afastada há meses do poder, foi esta segunda-feira ao Senado brasileiro para se defender do processo de destituição. Dilma Rousseff colocou o foco no seu papel como resistente, tanto contra a ditadura como contra a situação atual, e apostou numa retórica mais dura. De olhos postos no futuro: o seu, que politicamente está em risco, e o do seu partido