Siga-nos

Perfil

Expresso

Telegramas da saída limpa

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

Caixa, a grande diferença entre público e privado

  • 333

Nas faculdades de economia e gestão, sobretudo antes de 2008, uma das frases que mais se ouvia assentava em variações básicas da ideia de que os privados gerem sempre melhor que o Estado.

Genericamente a ideia não está completamente errada mas como todas as generalidades é muito básica, insuficiente e potencialmente estúpida porque falha duas ideias simples: a) os privados são muitas vezes capazes de cometer erros gravíssimos por razões que assentam na natureza humana, onde a estupidez ou a ganância, entre outras coisas, sempre abundaram; b) o Estado está obrigado a defender o bem comum e tem uma ideia de perenidade só exigível a quem sabe que o bem que gere deve existir dentro de centenas de anos.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso)

  • Marcelo apoia Governo na missão de defender a CGD

    O Presidente da República sublinhou que “há consenso hoje” em Portugal relativamente ao controlo público da Caixa Geral de Depósitos. E mostrou o seu apoio ao Governo de António Costa “na tarefa de defender a Caixa tal como ela é, uma instituição nuclear e uma instituição de controlo público do sistema financeiro português”

  • Marcelo e Costa levam “espanholização” da banca para encontro com Draghi

    Oficialmente, Mario Draghi falará 20 minutos no Conselho de Estado sobre temas da economia europeia. Mas Marcelo e Costa querem sensibilizar o presidente do BCE para especificidades da banca portuguesa. A três dias do BPI começar a ser multado por excessiva exposição a Angola, a “espanholização” vai estar na mesa

  • “CGD, Montepio e Caixa Agrícola são os grandes concorrentes do Banco CTT”

    “Não é todos os dias que nasce um banco”, diz, satisfeito, o presidente dos CTT, na véspera de lançar o banco postal, um projeto adiado há décadas. Arrancou sexta-feira com presença em 52 lojas. Para Francisco Lacerda, ex-vice-presidente do BCP, é um regresso ao seu elemento natural. O Banco CTT é uma operação low cost, não cobra comissões de manutenção, nem anuidade no cartão multibanco. As taxas de juro ficam nos 0,5%. Consolidação? Um dia, quem sabe. Corrida ao Novo Banco está fora de questão.