Siga-nos

Perfil

Expresso

Telegramas da saída limpa

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

Um texto minoritário

Falar de Cavaco Silva nos dias de hoje sem ser para dar pancada é assumir uma posição absolutamente minoritária. O que não deixa de ser curioso quando o sujeito da análise é o único político que tem no bolso quatro maiorias absolutas, ainda por cima com mais de 50% dos votos. Que Cavaco Silva já foi um político incrivelmente popular, é absolutamente indiscutível. Que também sai de Belém com a mais alta impopularidade de um Presidente, também. A maior parte dos comentadores defende que é a sua prestação como Presidente, sobretudo a do muito polémico segundo mandato, que ficará na memória de todos e nos livros de História. Eu penso o contrário, que o tempo fará com que a sua imagem política fique mais ligada a dez anos de governo – num período de enormes transformações no país – do que aos dois mandatos em Belém, cargo onde poucas vezes se destacou e quase sempre perdeu em comparação com os antecessores e, com alguma probabilidade, irá perder para o seu sucessor.

A extrema impopularidade presidencial de Cavaco Silva decorre em parte da natureza do cargo, para o qual não estava especialmente talhado. A sua formação profissional e estilo político sempre o destinaram mais a cargos executivos que ao papel de moderador. Isso era relativamente fácil de antecipar quando se candidatou a Presidente, quer quando perdeu contra Jorge Sampaio, em 1996, quer quando ganhou a Manuel Alegre, em 2006. O Palácio de Belém não é nem nunca será o melhor local de trabalho para políticos muito executivos e de natureza tecnocrática, sobretudo quando deixam de estar protegidos por uma equipa de ministros, deputados e dirigentes partidários prontos a formar a primeira linha de ataque e a primeira barreira de defesa. Em Belém, um político está essencialmente sozinho. Ser Presidente é assumir uma certa solidão de poder e decisão e saber que se passa a encarar o povo sem grandes filtros. É o Presidente e mais nada à volta dele.

É claro que Cavaco Silva se podia ter defendido muito melhor contra isso. Devia ter mantido pontes abertas para a sociedade e para os partidos, que descurou. Devia ter trabalhado muito melhor a forma como comunicou e se explicou. Os seus dois maiores desastres de comunicação – o caso das ações da SLN (BPN) e o valor da sua pensão – eram facilmente explicáveis e entendíveis, mas acabaram por se transformar em crises irreversíveis. A sua primeira vaia pública ocorreu em Guimarães, durante a abertura da Capital da Cultura, poucos dias depois de o Presidente se ter enredado numa atabalhoada explicação sobre a sua pensão. Ou seja, foi ele que a provocou totalmente, sendo que era uma polémica muito fácil de evitar.

Sobre o passado recente há pouco a fazer. Sobre o mais distante idem. A grande dúvida é qual dos dois passados se vai sobrepor. Normalmente, a última impressão é a que fica. Mas também é normal que o tempo acabe por desvalorizar alguns episódios e valorizar outras decisões. Nada disso servirá, na essência, para mudar muito a opinião que a maioria dos portugueses têm sobre o que fez Cavaco Silva em Belém durante dez anos. Mas o tempo contribuirá para que volte a ser recolocado na posição que já ocupava antes de chegar a Presidente e que é a de segundo político mais importante do pós-25 de Abril.

Esta avaliação não tem a ver com o que se gosta ou não gosta de um político, mas com o seu papel na História. E se é relativamente óbvio que Mário Soares é o político português mais importante do pós-25 de Abril, Cavaco Silva é o segundo. E isso não se deve apenas ao tempo que estiveram em funções, porque Sá Carneiro, António Guterres, Durão Barroso ou Jorge Sampaio, entre outros, também atravessaram a nossa política muito tempo. O que diferencia Cavaco Silva dos outros primeiros-ministros não é o tempo que esteve em São Bento, mas a transformação absoluta que o país sofreu nesse período. Esses dez anos, recheados de mudanças, decisões certas e erradas, revolucionaram completamente o país, rompendo definitivamente com o atavismo bafiento do Estado Novo e a confusão pós-revolucionária, estabilizando a democracia e a economia de mercado numa coabitação com Mário Soares e apanhando os anos de ouro da integração europeia. Sei que este é um texto minoritário, mas penso que o tempo acabará por colocar Cavaco Silva no papel que fez dele um político incontornável.

  • Cavaco conseguiu, sem precisar de recorrer a grandes talentos oratórios ou a qualquer instrumento de coação, convencer a maioria dos portugueses a entregar-lhe por cinco vezes o poder. As eleições deram-lhe absoluta e incontestada legitimidade democrática. Mas o instinto de Cavaco Silva é autoritário. Penso que na própria cabeça de Cavaco a imagem do professor de Finanças austero, que despreza o debate e encarna em si mesmo toda a Nação, o levou a ver-se como uma espécie Salazar da era democrática. Mas para se comparar à trágica grandeza do ditador falta-lhe tudo o resto: a cultura histórica que lhe permita representar a Nação, a cultura política que lhe permita ter um desígnio para o País e a cultura ética que lhe permita ser um modelo. Cavaco Silva é autoritário apenas porque é demasiado ignorante para compreender as razões profundas da superioridade da democracia e porque é demasiado egocêntrico para aceitar a transitoriedade do poder. É autoritário por feitio, não por convicção. Por ignorância, não por predestinação. Cavaco é afinal só Cavaco. O seu ego é o seu programa político

  • Chegou hoje ao que será presumivelmente o último dia da sua carreira política. Para quem disse que não era político, teve uma longevidade assinalável, ganhando quatro eleições com maioria absoluta, uma sem maioria e perdendo igualmente uma. Teve razão muitas vezes, mas perdeu-se em pormenores e decisões canhestras. Sai com a popularidade de rastos, mas isso não quer dizer que não tenha adquirido o seu lugar na História