Siga-nos

Perfil

Expresso

Telegramas da saída limpa

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação da SIC

O tempo e a meta de Assunção Cristas

  • 333

O avanço de Assunção Cristas para a liderança do CDS é das notícias mais interessantes dos últimos tempos da política portuguesa. Cristas é a melhor hipótese de renovação do CDS numa altura simultaneamente perigosa e interessante para o partido, que não vai isolado a votos desde 2011 e ninguém sabe quanto vale hoje em termos eleitorais, muito menos depois de Portas ir à sua vida. Mas se Cristas tem óbvias vantagens, também tem vários problemas pela frente. Ironicamente, é uma líder que precisa que o governo de esquerda dure algum tempo, para poder ter uma agenda clara e criar a sua marca distintiva.

Assunção Cristas chegou à política por ter dado nas vistas num Prós e Contras, onde defendia o "não" no referendo do aborto. Representava um dos movimentos cívicos nessa campanha e não tinha qualquer filiação partidária. Por mero acaso, Paulo Portas estava a ver o programa e reparou em Cristas, na sua capacidade de argumentação e capacidade mediática. A vida de Assunção Cristas mudou nesse dia. De advogada e professora universitária, passou a política. Tomou-lhe o gosto e mostrou um misto de ambição, capacidade de trabalho e disponibilidade para qualquer área.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI