Siga-nos

Perfil

Expresso

A Tempo e a Desmodo

Os bispos e o sexo: calem-se, sff

"Fazer um fellatio a Deus" até poderia ser uma definição cínica de fé. Mas não é. Ajoelhar perante o Altíssimo ganhou um novo significado na cabeça de um arcebispo católico chamado Francisco Javier Martinez (Granada). Eis os conselho do Dr. Kinsey das alturas: "as mulheres podem praticar fellatio com os seus maridos se eles pedirem. Mas quando o fizerem, devem pensar em Jesus" a fim de evitar a perversão. Jesus é assim o filtro que limpa o acto ignominioso, transformando-o numa coisa aceitável e até muito teológica - afinal de contas, dar uns tremores ao Altíssimo não é para todas.

Tendo em conta a lei das probabilidades, a Igreja está condenada a ser servida por gente com um discurso entre o imbecil e o cómico. É o preço a pagar pela grandeza. Em milhares e milhares de homens do clero, haverá sempre uma mão-cheia de bobos que não conseguem perceber uma coisa: se não conseguem articular um discurso minimamente aceitável sobre a sexualidade, então devem fechar a boca. Calem-se. Não neguem à partida uma ciência que desconhecem. Cada macaco no seu galho, etc. Mas, verdade seja dita, bobos como Javier Martinez são apenas um sintoma do problema. O humor involuntário destes homens resulta do vazio da Igreja em relação à sexualidade. Uma coisa é querer mudar ou melhorar a cidade dos homens. Outra coisa, bem diferente, é assumir que essa cidade é habitada por anjos.

Já passou meio século, mas a Igreja continua sem saber o que fazer com a sociedade pós-pílula. Apesar de a pílula ser a prática comum da sociedade, inclusive de grande parte das raparigas e mulheres católicas, a Igreja continua a pensar como se estivesse em 1950. Isto é um problema porque o discurso ultra-defensivo em relação ao desejo afasta milhares e milhares de jovens do catolicismo. Sim, a diabolização do desejo atira milhares para o campo da indiferença religiosa. Entre um mundo ultra-sexualizado e encharcado em pornografia e o mundo assexual da Igreja, muitos (ex-)católicos sentem-se perdidos, pois a sua principal referência moral é incapaz de lhes oferecer uma lente aceitável sobre a sexualidade. Entre a comercialização do sexo mecanizado e os absurdos fellatio a Deus, esta malta jovem não vê nada. Muitos ainda vão à missa, mas já não estão na Igreja.  

 

PS: continua aqui