Siga-nos

Perfil

Expresso

A Tempo e a Desmodo

Não temos filhos porque começamos a trabalhar a meio da manhã

Tenho à minha frente uma entrevista de Helena André de 2010. Nesta conversa com João Vieira Pereira, João Silvestre e Rosa Pedroso Lima, a ministra socialista contou uma história que ficou para sempre na minha pobre e vil cabeça: no primeiro dia, Helena André chegou ao ministério às oito da manhã pronta para começar a trabalhar mas só encontrou as empregadas da limpeza, que, coitadas, abriram a boca de espanto. Com o tempo, muita gente começou a seguir o exemplo da ministra e aquela casa conseguiu, pelo menos em parte, acabar com o pior hábito português: ficar a trabalhar até tarde. Fala-se muito do nosso ritmo de trabalho, supostamente mais lento do que o holandês ou alemão. Mas julgo que a questão não está no ritmo, mas sim no horário de trabalho, que é sem dúvida mais imbecil do que o alemão ou holandês.

Uma amiga, há dias, começou a trabalhar numa empresa alemã aqui em Lisboa. Dando largas às manhas tugas, ela começou a bulir até tarde. O horário de saída é às cinco, mas ela ficava até às seis ou sete, até porque queria impressionar os chefes. No final da primeira semana, o chefe chamou-a e disse: "olha, herr fofa, és despedida se continuas a fazer isto, nós não te queremos se não consegues fazer o teu trabalho até às cinco". Eu senti esta crítica quando estive na Alemanha: tinha de começar a trabalhar às 8. Não podia chegar às 8, já tinha de estar sentado às 8. E repare-se que esta exigência não é apenas um freio produtivo que domestica as pausas, as conversas, as bicas, os cigarros, etc. A exigência foi pensada, acima de tudo, para a vida pós-laboral: se sai às quatro ou cinco da tarde, uma pessoa ainda tem muito tempo para estar com os filhos. Aquele horário de trabalho madrugador serve a família antes de servir a empresa.

E nós? Nós começamos a trabalhar às 9 e tal, 10 horas, almoçamos entre as 13 e as 14.30 e, claro, saímos estupidamente tarde, cansados e sem tempo para crianças. É como se toda a gente estivesse debaixo do horário das redacções. Pior: é como se a sociedade estivesse organizada em redor do horário do solteirão. Ai, mas o trânsito torna difícil chegar a horas! Ai, mas os transportes! Lamento, mas as empregadas da limpeza que a ministra conheceu às 8 da manhã também têm de enfrentar o trânsito ou os transportes. Como é que conseguem? Vão para a cama mais cedo. Mas, verdade seja dita, os principais culpados não são os funcionários mas sim as chefias que não seguem o exemplo de Helena André. O chefe português gosta do solteirão que fica até tarde, eh pá, sim senhor, ganda gajo, ganda entrega.