Siga-nos

Perfil

Expresso

Porque é que não há educadores de infância masculinos?

Porque é que as pessoas que trabalham nas creches são sempre mulheres? É o resultado do tenebroso “patriarcado” que empurrou e empurra as mulheres para o gineceu? É o resultado de preconceitos e de perversas construções sociais que aliviam e aliviaram o homem do fardo que é criar crianças? Não. É verdade que existem construções sociais marialvas, mas esta não é uma delas.

Se a creche das minhas filhas tivesse homens, eu não me sentiria seguro. Ninguém se sentiria seguro por uma razão muito simples: a predação sexual é uma realidade masculina. 98% dos casos de violação são cometidos por homens. Repita-se: 98%. Este número é americano (FBI), mas reflete uma realidade universal. A predação sexual feminina é uma curiosidade literária, não é uma realidade estatística

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS eandroid - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • Há diferenças entre os rapazes e as raparigas? Claro que há. Mas se a diferença é entre brincar na rua ou tratar da lida da casa, isto tem, do ponto de vista pedagógico, um sentido que devemos contrariar. Para garantir que as nossas filhas não estão condenadas ao mesmo fado que as nossas avós