Siga-nos

Perfil

Expresso

À espera da ressurreição de Napoleão

Os militares têm razão quando dizem que os governos desinvestiram nas Forças Armadas, seguindo a desmilitarização geral da sociedade. Contudo, as chefias militares devem ser responsabilizadas, sobretudo as do Exército. A culpa começa e acaba nestes generais que vivem num tempo paralelo feito de brumas líricas e interesses prosaicos.

Quando se lê e ouve certas declarações, ficamos com a impressão de que muitos oficiais têm a cabeça no século XIX. Este espírito reacionário ficou claro na resistência que montaram à reforma proposta pelo ministro Aguiar Branco. Já ninguém se lembra?

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido

  • Sun Tzu, o mais brilhante general e estratego chinês que no séc. VI a.C. nos deixou ‘A Arte da Guerra’ como um dos mais importantes contributos para a estratégia política e militar, já avisava que um comandante pode ter cinco defeitos terríveis: coragem inconsciente; excesso de vontade de sobreviver; ferver em pouca água; insegurança e excesso de compaixão. Cada um destes defeitos corresponde a uma possibilidade tremenda na batalha. O excesso de coragem leva à morte; a vontade de sobreviver a qualquer custo conduz à captura; a ira a ser-se insultado; o excesso de compaixão a ficar-se amargurado e a insegurança a ser-se humilhado