Siga-nos

Perfil

Expresso

O mercado da indignação só ajuda Trump

Cada um de nós tem a sua visão moral sobre a ordem executiva de Trump, mas não podemos confundir a nossa moral com a legalidade da ordem. No meio desta tempestade onde toda a gente quer ser o “mais zangado com Trump”, no meio deste patético mercado da indignação que foi outrora o espaço público, quem é que está interessado em parar dois minutos para ler e pensar? Alguém leu as declarações da procuradora demitida? Sally Yates considera que a ordem pode ser legal, o ponto dela não é a legalidade, mas a bondade política do documento.

É uma opinião política que me parece correcta, mas o ponto não é esse. O ponto é saber se o Presidente pode ou não pode emitir uma ordem daquele tipo. Pode, sim. Desde pelo menos o Chinese Exclusion Act (1882) até às expulsões pós-9/11, passando pela expulsão de milhares de iranianos por Jimmy Carter, existe nos EUA uma jurisprudência que dá latitude ao Presidente em casos relacionados com segurança-imigração.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)

  • “Tenho fé que Donald Trump não seja um novo Hitler”

    Para Yiossuf Mohamed Adamgy, o diretor da “Al Furqán” — uma das principais revistas da comunidade muçulmana portuguesa —, o Presidente Donald Trump está a ignorar que os EUA foram construídos “nas costas dos muçulmanos”. E não acredita que o decreto “ilegal e discriminatório” que proíbe a entrada no país de pessoas de sete países muçulmanos durante 90 dias venha a travar o terrorismo. “O terrorismo não conhece nacionalidades: tanto pode ser islâmico como asiático ou americano.” Um depoimento na primeira pessoa

  • Trump escolhe juiz conservador para o Supremo Tribunal, democratas prometem luta no Senado

    Juiz do tribunal federal de recursos do Colorado, Neil Gorsuch é “o tipo de conservador evangélico tradicional com que os eleitores sonharam como recompensa por aturarem Trump durante a campanha eleitoral, apesar das controvérsias e das ocasionais apostasias políticas”, aponta o correspondente da BBC nos EUA. Democratas prometem batalhar contra a nomeação e transformar a disputa num referendo ao Presidente