Siga-nos

Perfil

Expresso

Reductio ad hitlerum

Quando li “Mein Kampf” há quase vinte anos confesso não percebi como é que um livro tão medíocre podia ter tanta importância na história. Há grandes escritores fascistas, como Ezra Pound e Céline. Hitler não é um deles. Há uma estética fascista que ainda hoje fascina.

Basta rever as obras-primas de Riefenstahl. Hitler é um intruso nesta estética; os dotes narrativos de Hitler estão para Riefenstahl como os dotes poéticos de Estaline estão para Eisenstein. Portanto, como é que tanta gente leu e acreditou nas páginas de “Mein Kampf”?

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito: basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso. pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)