Siga-nos

Perfil

Expresso

Guerra na Bósnia: a vergonha grega

  • 333

O grande tabu grego

Começo com um pedido de desculpas. A crónica de ontem tinha um erro: o Syriza não é aliado político do Aurora Dourada, mas sim de outro partido de extrema-direita, os Gregos Independentes; as milícias gregas que participaram nos massacres e violações de Srebrenica costumam ser associadas ao Aurora Dourada e não ao atual aliado do Syriza. O erro porém não invalida a tese central: o comportamento vergonhoso da Grécia durante as guerras da ex-Jugoslávia. Como dizia Karadzic, “só Deus e os gregos estão do nosso lado”. O que choca não é a participação de uma centena de fanáticos gregos numa unidade internacional (com russos e ucranianos) do exército de Ratko Mladic. O que tresanda a sério é o apoio arrebatado que a Grécia inteirinha deu à causa de Belgrado e dos sérvios-bósnios; o nacionalismo grego alimentou o nacionalismo sérvio numa espécie de vórtice ortodoxo. Como diz o jornalista grego Takis Michas, a ação dos voluntários gregos na Bósnia foi muito popular na sociedade grega. Este apoio grego, que era motivo de orgulho nacional, só passou a ser tabu a partir do momento em que Haia começou a julgar os criminosos de guerra da Bósnia. Falta julgar moralmente a Grécia, que foi a Áustria da Sérvia.

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI