Siga-nos

Perfil

Expresso

Jerónimo, camarada, são as carinhas larocas

  • 333

Esta coluna sempre a favor da igualdade de género, seja ele qual for – desde o género humano até ao género idiota – não podia deixar de vir em defesa de um homem, já um pouco idoso, de cabelos brancos e rugas na cara, que foi discriminatoriamente deixado parar trás em relação a umas meninas que têm tudo o que querem do papá

Referimo-nos, naturalmente, ao nosso querido e velho camarada Jerónimo de Sousa, com o qual não foi jamais discutida a momentosa questão dos juízes a nomear para o Tribunal Constitucional. Isto, logo num partido que tem tantas potencialidades passadas no Tribunal Constitucional, como se pode verificar por Vital Moreira e outros que já não são do partido, nem o apoiam e até já se autocriticaram de coisas que lá fizeram, mas que dão ao PCP uma estaleca que o Bloco de Esquerda não tem.

Tendo ouvido o Bloco, e não o PCP, é natural que o PCP se sinta injustiçado. E isto só tem uma explicação (pode ter mais, mas com o calor que está, achamos que chega esta): as meninas do Bloco são – como muito bem afirmou o camarada Jerónimo – umas carinhas larocas e o luxurioso Costa só tem olhos para elas. Isto é, aliás, caso de levar ao Comité Central do PCP, à Comissão Nacional do PS, à mulher de António Costa e àquela que mais anda atrás dele – Ana Catarina Mendes.

É uma enorme maldade o PS ter feito esta desfeita ao PCP. Sobretudo, porque o PCP tem sido mais leal, fiel e canino em relação ao PS do que o Bloco. Claro que as larocas já afirmaram: “Ah, mas e tal, tu destes a Educação ao Mário Nogueira que é do PCP e a gente ainda não viu nada”.

Perante isto, que não deixa de ser verdade, embora não deixe de ser mentira, Costa só tinha uma hipótese. E foi essa a carta que jogou: pediu-lhes um nome para o Tribunal Constitucional. Ora, o Bloco é como uma botica – tem de tudo. E foi logo ali aos seus ficheiros arranjar um especialista em arruadas, arruaças e arremedos para colocar no Palácio Ratton. E conseguiu!

Costa, qual um pai babado, esqueceu-se do outro filho, o Jerónimo. De modo que agora tem este berbicacho entre as mãos. Vai ser criticado pelo PCP, coisa que não lhe acontecia desde que levou a última descompostura do pai, que era um autor, publicitário e comunista sério que não admitia desconsiderações. Por isso, Costa, ao mesmo tempo que tenta ter uma resposta para as sanções, uma ideia sobre o terrorismo, uma malabarice (como dizia o outro) para o Orçamento do Estado e uma balela qualquer para os jornais, ainda vai ter de pensar como vai pedir desculpa ao Jerónimo. O melhor é ir, com a Ana Catarina à Soeiro Pereira Gomes de corda ao pescoço.

Quanto ao Jerónimo, a coisa está diagnosticada: é pôr as tais carinhas larocas no PCP, que assim já ninguém se esquece do glorioso Partido.