Siga-nos

Perfil

Expresso

O estranho caso da Standard & Poor’s

  • 333

A velha Coluna de Alterne está com um problema de identidade desde que soube que a Standard & Poor’s dedidiu manter o rating do país e a perspetiva mais ou menos otimista com que o vinha olhando. E problema é de tal ordem que não sei se a S&P quer o bem do país; se quer o mal do país; se o Governo da ‘geringonça’ é mais neoliberal do que o governo anterior da 'caranguejola' ou se está tudo maluco (por razões de facilidade, inclino-me para esta última hipótese)

Sendo obrigado, perante ameaças, advertências e intimações a manter a sobriedade, não me embebedei quando soube que Standard & Poor’s manteve a nossa notaçãozinha estável e disse “pensamos que o novo Governo continuará comprometido com políticas que sustentem uma consolidação orçamental adicional". Ou seja, dizem que a ‘geringonça’, afinal não se distingue grandemente da ‘caranguejola’ e que por isso pode ficar assim.

Ora, sabendo nós, portugueses, que entre a ‘geringonça’ e a ‘caranguejola’ há um abismo civilizacional, que podemos pensar disto? Coloco várias hipóteses:

  1. A Standard & Poor’s, afinal não é aquele coio de neoliberais empedernidos que querem dar cabo do país através de agentes internos como Passos Coelho, mas uma agência independente;
  2. A Standard & Poor’s é tudo o que se disse atrás sobre querer dar cabo do país, mas mudou de agente, que agora é António Costa;
  3. A Standard & Poor’s mudou de política, através da aliança dos seus sócios minoritários que eram próximos do Bloco de Esquerda, do PS e do PCP e agora dominam a agência contra os sócios pró Passos;
  4. A Standard & Poor’s está feita com forças ocultas, tipo Bildeberg, Maçonaria e Opus Dei que apoiam a ‘geringonça’;
  5. A Standard & Poor’s não percebe nada do assunto e tanto lhe faz o que se passa em Portugal;
  6. A Standard & Poor’s percebe imenso do assunto e de Portugal e acha que a ‘geringonça’ é tão ou mais liberal do que a ‘caranguejola’;
  7. A Standard & Poor’s acha que os portugueses são malucos por andarem a discutir coisas sem interesse como quem é melhor: se a ‘geringonça” se a ‘caranguejola’;
  8. A Standard & Poor’s não existe – é uma invenção dos sucessivos governos para se orgulharem dos seus feitos ou para introduzirem medidas impopulares ou contra o dr. Mário Nogueira;
  9. A Standard & Poor’s existe e tem uma avença escondida com o Governo português para não o chatear mais;
  10. A Standard & Poor’s adotou a política de afetos do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e decidiu ter uma súbita paixão por Portugal.

Não me perguntem qual a solução mais credível, pois não faço ideia. Tenho amanhã um almoço com o Poor’s (sócio do Standard) num restaurante barato para ver se entendo a ideia deles. Até lá, tudo o que posso partilhar são suposições e análises que estiveram, e estão, muito em voga nas redes sociais.

Depois direi qualquer coisa mais concreto. Até lá, despeço-me com amizade.