Siga-nos

Perfil

Expresso

“Sim, tenho dois pais, mas nenhum deles era gay”

  • 333

Esta coluna sempre disposta a esclarecer tudo e a não deixar nada por clarificar, foi ao encontro do Nosso Senhor Jesus Cristo para tentar obter uma reação àquele cartaz do Bloco de Esquerda que, depois de muito criticado, era afinal uma coisa só para as redes sociais (vá lá que não foi uma invenção da Comunicação Social como era costume)

Encontrei Jesus ia ele a sair da casa daquele garoto doente que Eça de Queirós descreve no conto ‘Suave Milagre’ (Nota: Se não sabe o que é, vá a uma livraria e compre. Vale a pena ler esse e outros contos de Eça). Mas, pronto, Ele ia a sair e eu, com o devido respeito, abordei-o:

- Com o devido respeito, saiba Vexa, Nosso Senhor Jesus Cristo que gostava de lhe fazer uma pergunta.

- Podes tratar-me por Mestre, como os outros.

- Sim, Mestre, Vexa pode reagir ao cartaz do Bloco de Esquerda?

- Não sei de que falas. Eu tenho de acudir a problemas reais. Isso é um problema real?

- Não, na verdade, depois de terem levado na touca de toda a gente, o problema tornou-se virtual, porque o cartaz ficou só nas redes sociais.

- E o que dizia o tal cartaz?

- Mestre, o cartaz dizia assim: Jesus também tinha 2 pais.

- Sim, é verdade.

- Pois, mas eles, Mestre, punham aquilo para comemorar a aprovação da possibilidade de adoção por casas homossexuais…

- Aí, alto e para o baile. Eu tenho dois pais, mas nenhum deles é gay. Em segundo lugar, não fui adotado, sou filho da Maria, pelo que também tenho uma mãe!

- Por isso acha abusivo o cartaz?

- Não é isso, acho-o de uma ignorância atroz. Em primeiro lugar, porque um dos pais de mim próprio sou eu. É a velha questão do filioque

- Do quê?

- Não interessa, é uma questão demasiado complexa. Apenas quer dizer que eu, o filho, e o pai somos uma única pessoa e juntamente com o Espírito Santo (não o banco, o verdadeiro), constituímos a Santíssima Trindade. Repara que Trindade é por sermos três.

- É como a geringonça…

- Mais ou menos. Agora esse Bloco de Esquerda, ou lá que é, não vê que a pessoa mais importante, logo depois do Pai que sou Eu também, é a minha mãe a Santa Maria Mãe de Deus?

- Não devem ter feito a catequese…

- Mas não são esses que andam sempre a catequizar?

- Não me parece, eles não vão à missa…

- Catequizar significa dar instrução de viva voz!

- Então sim, são todos catecistas…

- Bem me parecia, até há aquele rapaz bem-apessoado que parece um bispo, o Louçã.

- Mestre, sabe imenso sobre o Bloco…

- Eu quando penso sei tudo!

- Ótimo! Mas não vai processá-los, pois não?

- Não, disparate. Não me meto em política.

- Mas eles meteram-se consigo.

- Não. Deve ter sido outro Jesus. Sabes que é um nome vulgar. Por exemplo, será que o treinador do Sporting teve dois pais? Se calhar teve…

- Não creio.

- Mas deve haver mais por aí. Eu repito: nenhum dos meus pais era gay e eu nunca fui adotado. O meu pai José e a minha mãe Maria eram pessoas normais. O Pai de todos tem mais que se lhe diga, mas não vamos discutir isso agora.

- Posso publicar esta conversa?

- Podes, mas ninguém vai acreditar que falaste mesmo comigo. De qualquer modo, passa lá pelos meninos do Bloco e diz-lhes para não repetirem, porque eu perdoo muito, mas quando me passo faço daquelas cenas tipo a dos vendilhões do templo.

- É uma ameaça?

- Não. É um conselho cristão, de modo a que eles não se autodestruam. Não viste como caíram todos em cima deles? Ouve lá, eu tenho mais popularidade do que o Marcelo.

- Não duvido, Mestre.

- Pronto. Então vai à tua vidinha. Olha, vai com o meu pai, vai com Deus, vai comigo… Ciao!