Siga-nos

Perfil

Expresso

Segredos da campanha eleitoral

  • 333

Sempre atenta, a Coluna de Alterne descobriu vários segredos que os candidatos presidenciais não revelam. Com a consciência de que a revelação de tais segredos pode ser mais terrível do que a violação do segredo de Justiça num caso político, avançamos, sem medo de retaliações, para a sua divulgação[HM1] . Porque temos um lema indelével: o povo deve saber tudo o que nos interessa que ele saiba

  1. Sabia que a voz de Marcelo Rebelo de Sousa nos debates não é dele, mas de um locutor do Bloco de Esquerda? Talvez não soubesse, mas esta é a explicação para o facto de Marcelo ter aceitado tão depressa, e sem discussão, salas de chuto, barrigas de aluguer, casamentos homossexuais e coisas que ele jamais aceitaria.
  2. Por detrás de Vitorino Dias, mais conhecido por Tino de Rans está a indústria calceteira. Sim, é por isso que o mais conhecido dos socialistas desconhecidos tem meios para fazer uma campanha à altura de um orador motivacional. Só não faz mais barulho e cartazes do que o comunista Edgar Silva, porque a indústria calceteira está quase toda na falência.
  3. Maria de Belém mede 1,70 m, mas finge-se baixinha para não gozarem com ela. Esta informação que é da fonte mais pura que conseguimos encontrar no PS (António Vitorino) explica a razão pela qual a candidata tem a voz sempre com um timbre um pouco agudo de mais. Disseram-lhe que para se mascarar de baixinha tinha de ter uma voz fofinha e saiu aquilo.
  4. Henrique Neto chama-se, na verdade, Henrique Avô, mas quer parecer mais novo. O candidato não quer que se saiba que é quase octogenário, ou seja, tem pouco menos idade do que Mário Soares e por isso mudou de nome para parecer mais jovem. “Assim ninguém me dá mais do que 78 anos” disse ele.
  5. Sampaio da Nóvoa, curiosamente, também é um pseudónimo. A sua admiração pelos ex-presidentes é de tal forma elevada que durante o mandato de Soares se chamou Eanes da Nóvoa; durante o de Jorge Sampaio era ele Soares da Nóvoa e, agora, durante o de Cavaco, optou pelo nome Sampaio da Nóvoa. Depois de 9 de Março, data em que Cavaco abandona Belém, vai chamar-se Cavaco da Nóvoa.
  6. Jorge Sequeira não é bem um candidato, mas uma figura publicitária de uma conhecida marca de lentes e armações de óculos. Por isso mesmo, este ‘orador motivacional’ (nome que se dão àqueles que vão vender pílulas de cálcio nos intervalos dos canais por cabo) não se interessa pelo número de votos que vai ter nem por discordar de quem quer que seja.
  7. Cândido Ferreira não existe nem está inscrito nos cadernos eleitorais. A sua campanha está a ser feita por um familiar próximo do candidato, que também se chama Cândido Ferreira, mas que nasceu em Cantanhede, vive em Leiria e licenciou-se em Medicina, na Universidade de Coimbra.
  8. Marisa Matias não é do Bloco de Esquerda. Apenas está a utilizar o partido como barriga de aluguer. Na verdade, Marisa Matias é do PS mas aquele partido já tinha Maria de Belém, Sampaio da Nóvoa, Tino de Rans e Cândido Ferreira, de modo que a candidata achou que era confusão a mais, depois de se ter aconselhado com António Guterres.
  9. Paulo Morais só sabe falar de corrupção, a sua campanha não é opção. Estudos feitos demonstram que este candidato não sabe falar de mais nada desde que conheceu os meandros do futebol. O seu caso foi analisado por vários especialistas e até por um orador motivacional, mas é desesperado. Seja ao pequeno-almoço, ao almoço ou ao jantar, Morais está sempre a fazer denúncias de coisas que não deviam ter sido assim. Só num pequeno-almoço descobriu três galinhas que tinham posto ovos ilegais.
  10. Edgar Silva não tem qualquer traço distintivo. Como dizem os franceses what you see is what you get. Ou seja, está-lhe tudo na cara. É o único candidato genuíno, sem truques, 100% comunista virgem, numa imitação da lã. Mas é malandreco.