Anterior
Londres: quatro anos de prisão por incitarem motins no Facebook (vídeo)
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  Motins em Inglaterra  >   Blair ataca Cameron em defesa da moral britânica

Blair ataca Cameron em defesa da moral britânica

Num artigo publicado no jornal 'Observer', o antigo primeiro-ministro britânico critica David Cameron sublinhando que os motins no Reino Unido não foram provocados pelo "declínio moral" mas por uma "juventude alienada". Clique para visitar o dossiê Motins em Inglaterra
"A chave é perceber que eles não representam a maioria da sociedade", escreve Blair
"A chave é perceber que eles não representam a maioria da sociedade", escreve Blair / Julian Smith/EPA

O antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair rejeitou hoje que os desacatos em Londres tenham sido o resultado de um declínio moral, sublinhando que falar num "país fraturado" mancharia injustamente a reputação da Grã-Bretanha.

Clique para aceder ao índice do dossiê Motins em Inglaterra

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, defendeu que foi o "colapso moral" que provocou os motins que se prolongaram durante quatro noites em Londres e noutras cidades britânicas.

Num artigo publicado no jornal 'Observer,' Tony Blair rejeita esta ideia, sublinhando que a violência não foi provocada pela falência social, mas por uma "juventude alienada".

"A chave é perceber que eles não representam a maioria da sociedade", escreve Blair, acrescentando que "a Grã-Bretanha enquanto um todo não está a atravessar um 'declínio moral'".

Famílias "profundamente disfuncionais"


"A verdade é que muitas destas pessoas são de famílias profundamente disfuncionais, que funcionam de forma completamente diferente do resto da sociedade, quer sejam de classe média ou pobres", defende ainda o antigo primeiro-ministro britânico.

Tony Blair alerta ainda que dizer que os britânicos estão a atravessar um declínio moral irá deprimi-los e arrasar a sua reputação internacional.

Além disso, refere ainda, e "pior que tudo, é que irá fazer com que se perca a oportunidade de lidar com o problema da única forma possível".

Tony Blair abandonou o Governo britânico em 2007 e raramente comenta a política interna.

3300 crimes investigados e 1050 acusados


A polícia de Londres anunciou hoje que estão a ser investigados 3.300 crimes na sequência dos desacatos ocorridos na capital britânica no início de agosto.

A Scotland Yard confirmou que 1800 pessoas foram detidas e 1050 foram formalmente acusadas por alegado envolvimento nos distúrbios e roubos verificados no bairro de Tottenham e que, mais tarde, se alastraram por toda a capital e outras cidades inglesas.

A maioria dos crimes que estão a ser investigados são roubos, num total de 1102, seguido de estragos em veículos (399), assim como 301 furtos e 162 incêndios.

Além disso, a polícia londrina, que reviu um total de 20 mil horas de imagens gravadas em câmaras de vigilância, concluiu em 1100 o número de cenas criminais em 22 dos 32 bairros da capital britânica que foram afetados pelos distúrbios.

Um porta-voz da Scotland Yard assegurou que trabalho de investigação prossegue de forma "muitoestreita" com as comunidades locais que têm colaborado de forma "incalculável" com a investigação.

 


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 12 Comentar
ordenar por:
mais votados
Capacidade de resposta
Parecendo pouco eficaz na repressão, há que reconhecer que a polícia britânica tem uma boa capacidade de resposta na investigação e apresentação dos arruaceiros aos juízes.

Isso é fundamental no controle de futuras tentações.

Notar também a grande ajuda das câmaras de vigilância, que provaram a sua utilidade.
Deixemo-nos de protecção de intimidades, quando a segurança pública está em jogo.
Re: Capacidade de resposta
Blair foi uma das causas
Foi Blair, e não Cameron... que errou politicamente, ao conceder todo o tipo de apoios do estado às tais famílias disfuncionais... mas que funcionam muito bem pois não precisam de trabalhar para ter um ganha-pão... Sócrates promoveu o mesmo, com enorme êxito no nosso país.
Bem visto!
Dois do mesmo saco,
dignos representantes de uma Inglaterra subalterna, que funciona como zeladora dos interesses ianques numa Europa de calça curta, sem poderio e vivendo de pequenas bravatas, sob o olhar de soslaio do verdadeiro patrão, montado nas suas bases e com o relho oculto nas costas, pronto para chibatar ao primeiro olhar altivo. As guerras travadas em nome da democracia, subtraíram por completo o interesse nacional e, por isso, grande parte do povo de poucos recursos está perdido e não vê futuro para si e, deste modo, se rebela sob qualquer bandeira, para demonstrar o asco que sente pelo abandono. Não é tão simples como se possa imaginar, é a verdade e os dois tolos encenam um diálogo de esperteza, com proveito político para os grupos que representam. Rio Grande
'Blair ataca Cameron em defesa da moral britânica
Temos que reconhecer que Blair sabe escolher as palavras. O termo "juventude alienada" descreve muito melhor o que se passou do que "declínio moral". O primeiro termo não desresponsabiliza a juventude que participou nos motins, mas tem implícito também uma acusação às autoridades como Cameron que assistiram a essa alienação sem nada fazer. De facto, Cameron vai tentar usar essa cartada, a de que tendo tido a obrigação de cortar nos gastos, esperava que os seus cidadãos compreendessem e estivessem à altura. Senão estiveram é porque a Gra-Bretanha está afectada por um declínio moral. O problema é, que moral é suposto ter um menino de 10 anos quando participa nos distúrbios?

Blair foi hábil na escolha das suas palavras.
Quando David Cameron partia vitrinas
Numa cidade inglesa um bando de jovens parte uma vitrina, foge na noite e dirige-se a correr para o jardim botânico. A polícia segue-os, apanha alguns com seus telemóveis e põe-nos no calabouço.

O problema é que não se trata de um episódio ocorrido nestes dias. E que os jovens detidos não são desordeiros sub-proletários. Não, o episódio verificou-se há 24 anos em Oxford e os 10 jovens eram todos membros do Bullington Club, uma associação estudantil oxfordiana com 150 anos de idade, famosa pelas suas travessuras estudantis, suas bebedeiras e por considerar a vandalização de lojas e restaurantes como a melhor das distracções. Os problemas com donos de restaurantes, comerciantes e de denúncias à polícia são resolvidos com algumas indemnizações generosas vindas das gordas carteiras paternais. Algumas horas antes, os dez bravos jovens fizeram-se retratar nos degraus de uma grande escada, todos em uniforme do clube, roupa de recepção a 1000 libras esterlinas (1150 euros) cada uma. Dentre eles destaca-se um jovem David Cameron e um, também imberbe, Boris Johnson.

http://resistir.info/gb/d...

É ESTA A FAMÍLIA POLITICA DE PASSOS COELHO!

PIOR QUE OS ALI BABA, PASSOS COELHO E CAMERON ROUBAM AO POVO!
Re: Quando David Cameron partia vitrinas
A receita normal
Tony Blair, utiliza a tradicional roupa de politico reformado, ou seja, sabem exactamente onde actuar para ultrapassar os problemas existentes.
O ridiculo da situação, é que quando ocuparam o poder, não efectuaram medidas que prevenissem a situação.
É como por este sítio, todos (Miguel Beleza, Catroga, Pina Moura, Bagão Félix entre outros) sabiam o que fazer para inverter a crise portuguesa, mas quando lá estiveram o que foi que fizeram para previnir a situação?
Juventude alienada ...?
Pois, também será ! O pior é a falta de vergonha destes cavalheiros que sabem tudo e podem tudo... e quando lá estão NADA FAZEM ! A Juventude está alienada, não está, senhor Blair ? e o que o senhor fez foi ajudar à alienação da juventude e de muita idade adulta !!!
Diz o roto ao nu...
Foi este moralista que ajudou o ocidente a ir para o Iraque.
Estes motins é o inicio de um novo tempo
Blair é a imagem frustrada e falida das politicas de integração social das tais famílias disfuncionais. Pagamos para não tropeçarmos neles. O resultado não poderia ser outro.
Comentários 12 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub