0
Anterior
Jogo empatado à bomba após confrontos entre adeptos
Seguinte
"No ano passado estava o Messi a ser eliminado da Copa no país dele"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Euro 2012  >   Batyar, os hooligans bonzinhos

Batyar, os hooligans bonzinhos

No início do século XX, Lviv assistiu ao nascimento de uma subcultura chamada Batyar, os primeiros arruaceiros da cidade a quem os locais apelidaram de hooligans versão light. Clique para visitar o dossiê Euro-2012
|
A referência mais pitoresca a este movimento está na Avenida Svobode, onde um Batyar de bronze carrega um barril de cerveja nas costas e tem um relógio por cima dos ombros

Eles usavam calças presas por suspensórios, camisas largas e usavam um chapéu. Divertiam-se até às tantas horas da noite, semeando um caos controlado na cidade de Lviv, onde Portugal joga hoje o seu destino no Euro frente à Dinamarca (17h de Lisba). Os emborcavam cerveja até às tantas, cortejavam mulheres, cantavam canções de amor e anedotas. E roubavam.  Por isso, os habitantes da Lviv de hoje referem-se a eles como os "primeiros hooligans" , diz-nos Agnieska, a prestável guia do ponto turístico situado junto à praça principal.

Clique para aceder ao índice do dossiê Euro-2012

Pois então, estes tipos eram carteiristas malandros que causavam pequenos distúrbios, heróis posteriormente referidos no folclore ucraniano como uma espécie de Robin Hood, que roubavam os ricos para dar (pouco) aos pobres.

A memória dos Batyar mantém-se viva: há cinco estátuas espalhadas pela cidade e diz-se que se tocarmos numa delas, teremos sorte. Eu dei por mim a tocar numa que está posta ao lado do Café Restaurante Viena. É a do Cupido.

Mas a referência mais pitoresca a este movimento está na Avenida Svobode, onde um Batyar de bronze carrega um barril de cerveja nas costas e tem um relógio por cima dos ombros. Quando os ponteiros batem as 17h15, ouve-se um sino. Porquê? Porque foi em 1715 que foi inaugurada a primeira cervejaria em Lviv.

 


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub