Siga-nos

Perfil

Expresso

Anabela Natário

Anabela Natário

Jornalista

Nasci com o cordão umbilical enrolado ao pescoço, tentava vir ao mundo e sufocava. Foi em Lisboa, em 1960. Desde aí que luto pela vida, pela minha e pela dos outros. Tornei-me jornalista em 1981, a meio do Curso Superior de Jornalismo, e fiz uma especialização nos EUA sobre multimédia. Já passei por muitos ‘media’, cobri variados assuntos, da política ao futebol. Estreei-me na ficção em 2007, com “A Cueca Bibelô”. Escrevi seis livros de biografias de “Portuguesas com História”. Em 2014, voltei à ficção com “O Assassino do Aqueduto”.

  • Francisco Padinha, o Hércules maldito

    Diário

    Anabela Natário

    Foi campeão de força nas duas primeiras décadas do século passado. A dada altura, deixou de poder competir por falta de adversários… A sua estreia brutal, literalmente, reservou-lhe desde logo um lugar na história do desporto. Personagens famosas no seu tempo e praticamente esquecidas, umas menos outras mais, é do que trata esta rubrica de pequenas biografias que termina esta segunda-feira

  • Francisco Grandella, o comerciante revolucionário

    Diário

    Anabela Natário

    O comércio levou uma reviravolta quando este moço de fretes se tornou empresário, e com ele também ganhou a causa republicana e o povo de Lisboa, sobretudo. Os Armazéns Grandella são a sua imagem de marca, ainda hoje viva. Personagens famosas no seu tempo e praticamente esquecidas, umas menos outras mais, é do que trata esta rubrica de pequenas biografias

  • Quem pediu a pena de morte no dia 11 de março de 1975?

    Diário

    Anabela Natário

    A ata da reunião do conselho Superior de Defesa Nacional de 18 de maio de 1992 estava “escondida” nos arquivos e o veto de Mário Soares à lei da racionalização dos efetivos militares desaparecido até agora. No seu livro “General Loureiro dos Santos, biografia”, cujo lançamento se realiza esta terça-feira em Lisboa, Luísa Meireles traz à luz do dia os dois documentos e um manancial de informação, parte dele inédito, sobre o conturbado período da transição para a democracia em Portugal