Siga-nos

Perfil

Autárquicas 2017

Autárquicas 2017

Sondagem em Oeiras: Isaltino vence com larga vantagem mas sem maioria absoluta

Isaltino volta a Oeiras e conquista 36,7% dos votos enquanto o atual autarca, Paulo Vistas, fica bem longe, a vinte pontos percentuais. PSD de Ângelo Pereira só elege um vereador, tal como a CDU

Isaltino Morais pediu aos eleitores de Oeiras que o deixassem retomar o trabalho que fez naquela Câmara durante 24 anos e parece que estes lhe vão fazer a vontade. É essa a conclusão do estudo de opinião da Eurosondagem para o Expresso e a SIC, que coloca o atual autarca, Paulo Vistas, num segundo lugar bastante distante, com menos vinte pontos percentuais.

A sondagem aponta para um resultado de 36,7% dos votos para Isaltino, o que se traduz em cinco vereadores no executivo camarário, um número que não chega para a maioria absoluta. No segundo lugar, o atual autarca e também candidato independente Paulo Vistas, fica bem longe, com 16,8% dos votos e dois vereadores. O PS consegue o mesmo número de representantes com a candidatura de Joaquim Raposo, ex-autarca da Amadora, que em Oeiras consegue convencer 14% dos eleitores.

Para trás, fica o PSD de Ângelo Pereira, com um resultado de 10% e um vereador, ou seja, resultado semelhante ao da CDU, com 8% e também um representante no executivo. O Bloco de Esquerda, com apenas 3% dos votos, continua a não conseguir eleger representação.

Estes resultados baseiam-se na projeção da Eurosondagem e supõem que os inquiridos que escolheram a opção "não sabe/não responde" (15,2%) não vão votar no domingo.

Ficha técnica

Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, dias 22, 24 e 25 de Setembro de 2017. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente no Concelho do Oeiras, e habitando em lares com telefone da rede fixa. Foram efetuadas 817 tentativas de entrevistas e, destas, 109 (13,3%) não aceitaram colaborar no Estudo de Opinião. Foram validadas 708 entrevistas. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma aleatória resultou, em termos de sexo, (Feminino – 51,3%; Masculino – 48,7%), e no que concerne à faixa etária, (dos 18 aos 30 anos – 19,2%; dos 31 aos 59 – 48,6%; com 60 anos ou mais – 32,2%). O erro máximo da Amostra é de 3,67%, para um grau de probabilidade de 95,0%. Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.