Anterior
Mais de 500 despejos por dia em Espanha
Seguinte
O que eles pensam de Relvas
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  "Austeridade não pode destruir Estado social"

"Austeridade não pode destruir Estado social"

Numa mensagem hoje enviada aos militantes do PS, António José Seguro diz que, sob a sua liderança, os socialistas recusam que a austeridade rasgue o contrato social em Portugal e destrua o Estado social.
Lusa |
António José Seguro cumprimenta militantes socialistas nas comemorações do Dia da Federação do PS/Coimbra em Oliveira do Hospital
António José Seguro cumprimenta militantes socialistas nas comemorações do Dia da Federação do PS/Coimbra em Oliveira do Hospital / Sérgio Azenha/Lusa

O secretário-geral do PS diz que os socialistas, sob a sua liderança, continuarão a "honrar" os compromissos internacionais do país, mas recusam que a austeridade rasgue o contrato social em Portugal e destrua o Estado social.

Estas posições de António José Seguro constam numa mensagem que envia aos militantes do PS , hoje, data em que completa um ano desde que foi eleito secretário-geral deste partido.

Nesta mensagem, que é hoje publicada no site oficial do PS, o secretário-geral dos socialistas deixa vários avisos ao Governo em relação às principais opções em causa nos próximos meses.

"Devemos cumprir as metas do memorando [da troika] sem pôr em causa a coesão social. Há compromissos externos que devemos honrar, mas não podemos rasgar o nosso contrato social, ou seja, os nossos compromissos internos".

António José Seguro traça a seguir os limites que o PS está disponível para aceitar ao nível da reforma do aparelho do Estado.

"Admitimos melhorias e a adequação do Estado Social aos novos desafios de uma sociedade onde é muito baixa a taxa de natalidade e milhares de portugueses em idade ativa emigram. Mas nunca, nunca, aceitaremos a destruição do Estado Social tal como este governo se prepara para fazer", salienta.

Mais crescimento, menos austeridade


Para os próximos anos, Seguro refere que o seu objetivo passará por se bater por um caminho de promoção do crescimento e de redução da austeridade, "designadamente alargando por mais um ano o prazo do memorando e promovendo uma nova agenda para o emprego e para o crescimento".

"É possível e desejável consolidar as contas públicas conciliando crescimento económico com rigor orçamental. Este é o caminho alternativo à receita da austeridade a qualquer preço executada pelo atual Governo", sustenta o secretário-geral do PS.

No campo partidário, Seguro pretende liderar um PS "sem pressas" de chegar ao poder, a correr em "pista própria" e "recusando os caminhos fáceis do populismo e da demagogia.

Política pela positiva


"Apostamos em fazer política de outra forma, pela positiva, não prometendo nada que não possamos fazer quando formos Governo. Refutamos a política da trincheira que nada resolve e afasta os cidadãos da política", adverte o líder socialista.

No que respeita ao seu primeiro ano enquanto secretário-geral do PS, António José Seguro diz que os socialistas se assumiram como "alternativa responsável".

"Assumimos os compromissos em defesa dos interesses de Portugal e soubemos interpretar o contexto nacional e internacional. Fomos norteadores da mudança em defesa de políticas promotoras do emprego e do crescimento económico. Há um ano éramos uma voz isolada. Hoje, a defesa da aposta no crescimento e emprego é um objetivo apoiado por muitos, em Portugal e na maioria dos governos europeus", advoga o secretário-geral do PS.

Seguro defende que o PS foi "pioneiro no combate a uma política assente exclusivamente na austeridade".

"Hoje ganha consenso a necessidade de a crise só poder ser ultrapassada com um outro eixo: o do crescimento.

"Estes  são apenas dois dos muitos exemplos em que nos afirmámos como uma alternativa responsável onde conjugámos os compromissos do passado com os novos desafios do presente e do futuro", acrescenta na sua mensagem.


Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 140 Comentar
ordenar por:
mais votados
Com o PS o Estado social entrou em falência!
Para Seguro o PS é inocente na crise,mas está a aldrabar os portugueses e a fugir com o rabo da seringa das responsabilidades que o PS tem dos 6 anos de governação Sócrates: Portugal foi ao tapete e foi o PS que trouxe a troika, pondo em perigo a Constituição e os direitos adquiridos pelas população!
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social e a corrup~ção socialista!
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
Re: O Estado Social nunca esteve em falência
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Re: Com o PS o Estado social entrou em falência!
Olhem para o presente!!!!!!
SEGURO MILAGREIRO
««« É possível e desejável consolidar as contas públicas conciliando crescimento económico com rigor orçamental. Este é o caminho alternativo à receita da austeridade a qualquer preço executada pelo atual Governo»»»

António José Seguro, Secretário- Geral do PS, e um berreiro à procura de uma ideia, afirmando que vai fazer uma coisa e o seu contrário esquecendo-se de revelar o nome do santo a que vai recorrer para que possamos agradecer o milagre.
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
Re: SEGURO MILAGREIRO
o toin zé
é só conversa da treta
Re: o toin zé
"Austeridade não pode destruir Estado social"
A especialidade do PS é encher os ouvidos com o Estado Social na Oposição e dar-lhe bicadas quando não mesmo machadadas, quando está no Poder.
Encerramento de Escolas, encerramento de Maternidades e Urgências, ... PECI, PECII, PECIII, assinar acordos com o FMI ou com as "troikas" e depois dizer que não foi por vontade própria.
Não! Isso chama-lhe racionalizar meios! Os outros querem acabar com o Estado Social.
Engana-me que eu gosto!
Mas continua a pregar, pois o António Costa ainda está ocupado com a Câmara de Lisboa e não vem já!

Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
A RECEITA TROIKA/GOVERNO PSD/CDS ...
- Transformar as funções sociais do Estado (saúde, educação, segurança social, etc.) em áreas de negócio lucrativas para os grupos económicos privados.

- Reduzir significativamente as remunerações dos trabalhadores.

Em lume brando ou em fogo rápido ... com mais ou menos sal ... com mais ou menos piripiri ... o cozinhado é esse ...
Re: A RECEITA TROIKA/GOVERNO PSD/CDS ...
Re: A RECEITA TROIKA/GOVERNO PSD/CDS ...
Re: A RECEITA TROIKA/GOVERNO PSD/CDS ...
Re: A RECEITA TROIKA/GOVERNO PSD/CDS ...
Re: A RECEITA TROIKA/GOVERNO PSD/CDS ...
Re: A RECEITA TROIKA/GOVERNO PSD/CDS ...
DESAVERGONHADO!!!
QUEM É QUE LEVOU O ESTADO SOCIAL À FALÊNCIA???

QUEM FEZ CONTRATOS RUINOSOS PARA O ESTADO???

QUEM É QUE EM PLENA CRISE EM 2007-2008 CONTRAÍU EMPRÉSTIMOS PARA OS PRÓXIMOS 30 ou 40 ANOS, QUE DIFICILMENTE PODEREMOS REEMBOLSAR??

QUEM É QUE NACIONALIZOU O BPN, OBRIGANDO OS CONTRIBUINTES A PAGAR O BURACO, EM VEZ DE MANDAR O CASO PARA OS TRIBUNAIS???
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Re: DESAVERGONHADO!!!
Com a autêntica catastrofe que está a acontecer
em muitos paises da Europa o Partido Socialista não pode continuar a ser uma alternância no poder mas criar uma alternativa ao actual sistema de ditadura dos mercados implementada por politicos ao serviço de interesses que nada tem a ver com os cidadãos, mas sim com interesses transnacionais que dominamm a actividade económica e os meios de comunicação social. São predadores implacáveis e as presas são os cidadãos incautos. Subtraiem às populações para adicionar à Banca, perante o silêncio e a passividade dos inocentes. E o que é mais preocupante não é a acção dos maus, mas o silêncio dos bons. Assiste-se ao desmantelamento, dissolução, desintegração e destruição das identidades nacionais das sociedades e da própria civilização únicamete por razões ideológicas ultra liberais. Assiste.se por outro lado ao definhamento da Cultura com o advento deste sistema. Está a ser corroida de forma larvar os fundamentos da Democracia, transformada em inimiga do povo e não como um poder dele emanado. Portanto é urgente resistir a este pensamento único que nos querem impôr. Embora a primeira condição para modificar a realidade consiste em conhecê-la, bem como às possiveis alternativas. Mas está a tornar-se dificil, dado o assalto que foi feito a alguns orgâos de comunicação social e à pouca qualidade de muitos politicos. Instalou-se em Prtugal uma estranha Democracia onde se reproduz a ideia de que uma minoria tem a vocação para receber tudo e as populações para pagar tudo. Até quando?

"OK TELESEGURO"
Nós já sabemos.....Parece que tu é que não sabes que não vais lá.
kácus
deixemo-nos de tretas
A carga fiscal é tão elevada que só por razões de evasão e fraude fiscal se pode falar em falência do estado social. Os falsos moralistas que andam para aqui a fazer o choradinho de que não há dinheiro para nada provavelmente são os primeiros a fugir aos impostos assim que têm oportunidade.
São biliões e biliões em offshores em todo o mundo que nunca passam pelo crivo do fisco. Algum desse dinheiro serve para pagar aos fazedores da opoinião pública para declararem o fim do estado social e o surgimento do estado regulador. Isto é, o estado deixa de proporcionar aos cidadãos os serviços essenciais que estes pagam com os seus impostos, para que os insaciáveis possam explorar esses mesmos serviços na senda do lucro fácil. E os parvos e os espertalhões pegam na falácia e repetem-na até à exaustão, como beatos sem questionar o dogma. Entretanto, acaba o estado social, mas a carga fiscal não diminui,antes pelo contrário, sob o pretexto do pagamento das dívidas acumuladas. Os capitalistas hão de continuar a fugir ao fisco e os trabalhadores por conta de outrém a pagar por serviços que deixaram de existir. Mais, pagam duplamente, porque esses serviços passam a ser explorados pelos primeiros. Tanto pior para o contrato social.
Re: deixemo-nos de tretas
Re: deixemo-nos de tretas
Re: deixemo-nos de tretas
Uma agenda de efabulações
Qualquer político que se preze, necessita de uma agenda. Que, como se sabe, é um caderno de apontamentos com o formato da algibeira que fica no rabo das calças. Daí a descoberta do enigma da conhecida interrogação: “o que tem o rabo a ver com as calças?” -, pois, sabe-se agora, servem de anteparo à agenda.

Na dita agenda, apontam-se todos os nossos pensamentos; podendo também, apontar-se os pensamentos dos outros.

No caso presente, vamos debruçar-nos sobre a agenda de Seguro, em que, como tópicos, constam o Estado social e o crescimento. Não exatamente por esta ordem. Efabulações importantíssimas, consideradas mesmo:“desparadoxos”

Que fazem lembrar a história do cão muito magrinho, em que alguém conclui: “este cão não come” –, com resposta imediata do dono: “come, e muito. Eu que não lhe dou”

Prova que podemos ter o Estado Social, mesmo sem dinheiro para o pagar, tornando o “crescimento” uma garantia. Claro que me refiro ao crescimento da dívida.

Daí que estes encontros do PS, tenham efeito semelhante às idas à IURD: tudo continua na mesma, mas sai-se mais confortado. Claro que implica o pagamento do dízimo – uma corrupção Divina muito em voga – o que em política é o equivalente ao “haja paciência”

A diferença entre o PS e o "resto-do-mundo" político, já não é tanto ideológica, mas de humores. No PS de Seguro há a alegria de um buraco todo iluminado… só falta explicar quem paga a eletricidade

Re: Uma agenda de efabulações
!
O estado social faz-se com recursos próprios e não com palavras e com empréstimos. Para haver estado social não podem alguns ter duas e três reformas e ainda estarem no activo. Para haver estado social tem de hver desenvolvimento na agricultura, nas pescas e na indústria. Para haver estado social não pode haver o desemprego que existe e tanta gente a mamar do mesmo. Para haver estado social não pode o estado fazer negócios ruinosos com PPP que foi o que aconteceu nos tempos dos outros da mesma seita do seguro. Para haver estado social não podem as pessoas estar sobrecarregadas de impostos e a tentar fugir de qualquer maneira por não estarem dispostas a sustentar mandriões, chupistas e vigaristas. Para haver estado social tem que haver justiça social. Arre pôrra que é demais. Este Tó Zé Acusa não aprende nada. Só tem aprendido a traficar influências, desde que começou na jotinha do partido, e a vender jogo branco..
QUEREM LÁ OS POLITICOS SABER DISSO!
Eles têm reformas principescas ( várias ), assistência médica em Clinicas Privadas pagas por nós!
mais vale cair em graça do que ser engraçado
Acho que a maioria das pessoas é extremamente injusta com Seguro. No fim de contas, tomou conta do PS depois do descalabro Sócrates e ao princípio tentou dar uma imagem de coesão interna para o exterior. No entanto, o governo aproveitou esse facto para esticar a corda até ao ponto de ela rebentar.
Quanto às suas propostas, não vejo por que desdenhá-las. As do governo já deram provas que não funcionam, porém as pessoas preferem criticar Seguro mesmo antes de pôr as suas ideias em prática.
A questão fundamental é a fixação pela imagem do líder carismático e determinado, coisa que Seguro claramente não tem. No entanto, essa é a imagem de Sócrates e Passos Coelho e o resultado está à vista. Quanto ao último, até Lobo Xavier na quadratura do círculo já o considera como o elo mais fraco do governo, a par de Relvas.
Portanto, se estes são os líderes carismáticos que temos, tragam um que o não seja.
Tudo o resto é mera propaganda e preconceito, nada mais.
OPOSIÇÃO À MEDIDA
De um fraco desempenho deste suposto socialista. Não fosse a fidelidade ao partido de um ainda considerável número de simpatizantes e filiados e o ps veria a sua percentagem de apoio na ordem dos 3 a 4%. Enquanto o ps assim estiver, estamos mal, porque o governo continua a mandar sem se preocupar muito. seguro vai mandando umas bocas foleiras de vez em quando, agita por aí meia dúzia de maria-vai-com-as-outras e nada mais do que isto. Portugal, politicamente bateu no fundo, bateu no fundo economicamente, sem proveniência de riqueza, porque guterres ao seu estilo de nada fazer, criou o sentimento de que em Portugal eram todos ricos e ninguém precisava de trabalhar. foram 6 anos de completa loucura, desleixo económico e depois veio o que todos sabemos: um bando de abutres, sócrates&Cª. agora, resta aos que querem, trabalhar e erguer o que esta gente destruiu. por outro lado, existem os bandidos que nada querem fazer, ao ponto de uma empresa necessitar de 250 trabalhadores, fazer a oferta nos centros de emprego e não haver 1 único inscrito solução: importar 250 africanos. sabem do que se trata: obras do data center da Covilhã. seguro gosta disto, impulsiona os vadios, exatamente como o seu antecessor. esta é agora, há 7 anos a política do ps. veremos se a memória do povo não se apaga e se vão recordando as atrocidades que esta gente fez e está a fazer. O atual governo, rouba por onde pode e os que não podem fugir aos impostos, todos os trabalhadores lá vão sustentando vadios.
Re: OPOSIÇÃO À MEDIDA
Contadores de estórias
Façamos um exercicio de memória e recuemos a 1995.
Agora vejamos a politica de Estado Social, tão apregoada por este líder da oposição, que os sucessivos governos PS seguiram:
-atribuir subsidios!!
Não é com a atribuição de subsidios, subsidios em cima de subsidios, que se combate a desigualdade e a exclusão social!
Eu faço só uma pergunta, porque se investiu, por ex., no anterior governo, com a parpublica numa simples escola do interior alentejano, 14 milhões de euros (sabendo-se da enorme taxa de natalidade portuguesa, e em especial no alentejo) e não se reconduziu grande parte desse avultado montante para IPSS ou Centros de Apoio a Idosos, nas mesmas localidades, porque esses sim, depois de anos a fio a trabalharem, não dispoem de estruturas suficientes para os acolher e dar-lhes o devido reconhecimento social??
O estado social do PS é estourar dinheiro desta forma em vez de o aplicar de forma criteriosa?
é politica de estado social encerrar maternidades no interior alentejano e estourar dinheiro em escolas? Para quem são essas escolas? AH, pois, era para as NOvas Oportunidades...as minhas desculpas aos rosa...esqueci-me!
Re: Contadores de estórias
Comentários 140 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub