Anterior
Economia grega "encolherá" 26,3% desde 2008
Seguinte
Portugal fecha outubro em 6º no "clube" da bancarrota
Página Inicial   >  Economia  >  Dívida  >   Aumentos de impostos agravam a contração da economia

Aumentos de impostos agravam a contração da economia

Três académicos norte-americanos verificaram que um "choque fiscal" de aumento das taxas de impostos conjugado com uma política de consolidação orçamental tem um efeito "multiplicador" fortemente recessivo.

|

A conjugação de aumentos nos níveis de impostos com períodos de consolidação orçamental tem um efeito multiplicador "fortemente recessivo". Nessas condições, o aumento de um dólar de receitas fiscais reduz o produto em 1,02 dólares no momento do impacto e em 2,76 dólares depois de três trimestres. É uma mistura explosiva segundo o estudo de Daniel Riera-Crichton, Carlos A. Vegh e Guillermo Vuletin, agora publicado nos "Working Papers" do National Bureau of Economic Research sediado em Cambridge, nos Estados Unidos.

O artigo dos três académicos publicado com o título "Tax Multipliers: Pitfalls in Measurement and Identification" baseia-se na análise do que ocorreu entre 1980 e 2009 em 14 países industrializados, incluindo Portugal e outros "periféricos" da zona euro (Espanha, Irlanda e Itália), antes dos planos de resgate neste espaço monetário.

A preocupação dos investigadores foi avaliar o efeito de um "choque fiscal" de aumento de impostos no quadro de episódios de consolidação orçamental, ou seja em ambiente de políticas de austeridade. Neste caso, não se trata de um "choque fiscal" em período de expansão económica ou motivado por "causas económicas", mas por convicção dos governantes que o aumento da carga fiscal é uma estratégia "prudente" orçamental que poderá reduzir o défice público e colocar as contas públicas numa trajetória sustentável.

Uma dos aspetos estudados foi o efeito multiplicador de uma variação em alta da taxa do imposto sobre valor acrescentado - "verificámos que o aumento das taxas de IVA tem efeitos negativos muito fortes no output", sublinham os autores. O estudo contesta inclusive a ideia muito comum de que o aumento nas taxas de IVA aumentaria os incentivos das empresas a deslocarem o seu foco para a exportação. Os três académicos sublinham que "um aumento nas taxas de IVA parece reduzir o investimento, as exportações, tal como as importações", ainda que seja a variável consumo (doméstico) "a componente macroeconómica que mais reage a uma mudança das taxas".

Polémica do multiplicador

A questão do multiplicador orçamental por via do corte de despesa pública ou do multiplicador por efeito de "choque fiscal" (no caso, aumento das taxas de impostos) tem sido um campo de investigação académica muito ativo desde o final dos anos 1990 e que ganhou mediatismo recentemente quando o "World Economic Outlook" (WEO), edição de outubro, inseriu uma caixa técnica assinada por Olivier Blanchard, o conselheiro económico do Fundo Monetário Internacional, sobre a revisão dos multiplicadores orçamentais, que viria a ter o apoio público expresso da diretora-geral Christine Lagarde.

O estudo de Blanchard e Daniel Leigh apontava para um multiplicador de austeridade a atuar no intervalo entre 0,9 e 1,7. Ou seja por cada euro de consolidação orçamental, o efeito  recessivo no PIB pode variar entre 90 cêntimos e 1,7 euros. A caixa técnica do WEO sublinhava, ainda, que por cada 1% do PIB em ajustamento orçamental (austeridade), o FMI subestimou 1 ponto percentual no efeito negativo e a Comissão Europeia 0,8. O erro de subestimação na previsão do desemprego foi na ordem de 0,5 pontos percentuais por cada 1% do PIB em cortes. E no investimento foi arrasador, na ordem de uma quebra de 2 pontos percentuais mais por cada 1% de PIB de corte orçamental.

Os académicos Barry Eichengreen e Kevin O´Rourke vieram, depois, recordar um estudo realizado por eles ao período dos anos 1930 que aponta para um multiplicador orçamental de 1,6, em situações de austeridade e de política monetária com taxas de juro próximas de zero porcento.

Ambos os estudos referem-se a países desenvolvidos. Nos 28 países estudados pelo FMI incluía-se Portugal e excluiu-se Alemanha, Grécia e Roménia da amostra inicial de 31 países. A edição online do Financial Times travou uma polémica com o FMI sobre a robustez da análise do WEO.

Mais tarde, o ministro das Finanças português e o chefe de Missão do FMI para Portugal confirmaram que o multiplicador implícito nas atuais contas portuguesas era de 0,8. Abebe Selassie, o chefe da Missão, sublinhou que o intervalo referido pelo WEO não pode ser aplicado "especificamente a um dado país", e que ficara "francamente um pouco surpreendido com a discussão tão ativa e intensa sobre o tema em Portugal". Selassie afirmou que na revisão da previsão pela troika para a recessão em 2012 - que passou de uma contração de 2,8% para 3,3% do PIB - estava implícito, já em fevereiro deste ano, que "um multiplicador mais alto [do que o de 0,5] estava a funcionar". Pelo que para as contas de 2013 já se aplicou um multiplicador mais elevado, revendo a previsão para o próximo ano de uma estagnação de 0,2% para uma recessão de 1%. Mas insiste que se poderá observar uma retoma da economia portuguesa "por volta do segundo semestre de 2013".


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados
O resto é letra!!!
Em economia estuda-se muita coisa, entre elas tendências nos comportamentos sociais, assente nos referenciais estatisticos, na Geografia social, na História, ...
Mas a verdade indiscutivel para qualquer cidadão, é que nestas coisas de economia:
Prognósticos, pprognósticos... só no fim do jogo!

O resto é letra!!!
Aumentos de impostos agravam a contração da econom
A sério???
É pena que não tenham ensinado isso ao Passos e ao 33rpm! O mais certo foi eles terem obtido o curso por equivalências! É o que está a dar!
Re: Aumentos de impostos agravam a contração da ec
Mentiras muito científicas
«O multiplicador» não é polémico: o que é polémico são as mentiras do FMI, entre as quais as mentiras relacionadas com o valor do multiplicador.
Segundo o RELVAS : ISTO é BOM !
É claro que o Relvas se referia ao «PICOLÈ» que chupa a mielas com o Passos de mau Coelho !
Ou será do Coelho dos maus Passos ? O tal CONEJO que entra mudo e sai calado de todas as REUNIÕES com os outros Fascistas da alegada U.E. !
"VAI FAZER PUM!"
Claro vai rebentar tudo,mas também vai rebentar o parlamento,PUM!
ENTÃO E O "SUSTO"?
Não só agrava a economia como prega sustos ás pessoas como diz o Louçã. Será que ele ainda não se apercebeu que estamos em tempo de Halloween? "Sustos" para uns, mas sempre vai havendo umas "Guloseimas" para outros.
Comentários 7 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUB
 

Pub