Anterior
Economia grega "encolherá" 26,3% desde 2008
Seguinte
Portugal fecha outubro em 6º no "clube" da bancarrota
Página Inicial   >  Economia  >  Dívida  >   Aumentos de impostos agravam a contração da economia

Aumentos de impostos agravam a contração da economia

Três académicos norte-americanos verificaram que um "choque fiscal" de aumento das taxas de impostos conjugado com uma política de consolidação orçamental tem um efeito "multiplicador" fortemente recessivo.

|

A conjugação de aumentos nos níveis de impostos com períodos de consolidação orçamental tem um efeito multiplicador "fortemente recessivo". Nessas condições, o aumento de um dólar de receitas fiscais reduz o produto em 1,02 dólares no momento do impacto e em 2,76 dólares depois de três trimestres. É uma mistura explosiva segundo o estudo de Daniel Riera-Crichton, Carlos A. Vegh e Guillermo Vuletin, agora publicado nos "Working Papers" do National Bureau of Economic Research sediado em Cambridge, nos Estados Unidos.

O artigo dos três académicos publicado com o título "Tax Multipliers: Pitfalls in Measurement and Identification" baseia-se na análise do que ocorreu entre 1980 e 2009 em 14 países industrializados, incluindo Portugal e outros "periféricos" da zona euro (Espanha, Irlanda e Itália), antes dos planos de resgate neste espaço monetário.

A preocupação dos investigadores foi avaliar o efeito de um "choque fiscal" de aumento de impostos no quadro de episódios de consolidação orçamental, ou seja em ambiente de políticas de austeridade. Neste caso, não se trata de um "choque fiscal" em período de expansão económica ou motivado por "causas económicas", mas por convicção dos governantes que o aumento da carga fiscal é uma estratégia "prudente" orçamental que poderá reduzir o défice público e colocar as contas públicas numa trajetória sustentável.

Uma dos aspetos estudados foi o efeito multiplicador de uma variação em alta da taxa do imposto sobre valor acrescentado - "verificámos que o aumento das taxas de IVA tem efeitos negativos muito fortes no output", sublinham os autores. O estudo contesta inclusive a ideia muito comum de que o aumento nas taxas de IVA aumentaria os incentivos das empresas a deslocarem o seu foco para a exportação. Os três académicos sublinham que "um aumento nas taxas de IVA parece reduzir o investimento, as exportações, tal como as importações", ainda que seja a variável consumo (doméstico) "a componente macroeconómica que mais reage a uma mudança das taxas".

Polémica do multiplicador

A questão do multiplicador orçamental por via do corte de despesa pública ou do multiplicador por efeito de "choque fiscal" (no caso, aumento das taxas de impostos) tem sido um campo de investigação académica muito ativo desde o final dos anos 1990 e que ganhou mediatismo recentemente quando o "World Economic Outlook" (WEO), edição de outubro, inseriu uma caixa técnica assinada por Olivier Blanchard, o conselheiro económico do Fundo Monetário Internacional, sobre a revisão dos multiplicadores orçamentais, que viria a ter o apoio público expresso da diretora-geral Christine Lagarde.

O estudo de Blanchard e Daniel Leigh apontava para um multiplicador de austeridade a atuar no intervalo entre 0,9 e 1,7. Ou seja por cada euro de consolidação orçamental, o efeito  recessivo no PIB pode variar entre 90 cêntimos e 1,7 euros. A caixa técnica do WEO sublinhava, ainda, que por cada 1% do PIB em ajustamento orçamental (austeridade), o FMI subestimou 1 ponto percentual no efeito negativo e a Comissão Europeia 0,8. O erro de subestimação na previsão do desemprego foi na ordem de 0,5 pontos percentuais por cada 1% do PIB em cortes. E no investimento foi arrasador, na ordem de uma quebra de 2 pontos percentuais mais por cada 1% de PIB de corte orçamental.

Os académicos Barry Eichengreen e Kevin O´Rourke vieram, depois, recordar um estudo realizado por eles ao período dos anos 1930 que aponta para um multiplicador orçamental de 1,6, em situações de austeridade e de política monetária com taxas de juro próximas de zero porcento.

Ambos os estudos referem-se a países desenvolvidos. Nos 28 países estudados pelo FMI incluía-se Portugal e excluiu-se Alemanha, Grécia e Roménia da amostra inicial de 31 países. A edição online do Financial Times travou uma polémica com o FMI sobre a robustez da análise do WEO.

Mais tarde, o ministro das Finanças português e o chefe de Missão do FMI para Portugal confirmaram que o multiplicador implícito nas atuais contas portuguesas era de 0,8. Abebe Selassie, o chefe da Missão, sublinhou que o intervalo referido pelo WEO não pode ser aplicado "especificamente a um dado país", e que ficara "francamente um pouco surpreendido com a discussão tão ativa e intensa sobre o tema em Portugal". Selassie afirmou que na revisão da previsão pela troika para a recessão em 2012 - que passou de uma contração de 2,8% para 3,3% do PIB - estava implícito, já em fevereiro deste ano, que "um multiplicador mais alto [do que o de 0,5] estava a funcionar". Pelo que para as contas de 2013 já se aplicou um multiplicador mais elevado, revendo a previsão para o próximo ano de uma estagnação de 0,2% para uma recessão de 1%. Mas insiste que se poderá observar uma retoma da economia portuguesa "por volta do segundo semestre de 2013".


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados
O resto é letra!!!
Em economia estuda-se muita coisa, entre elas tendências nos comportamentos sociais, assente nos referenciais estatisticos, na Geografia social, na História, ...
Mas a verdade indiscutivel para qualquer cidadão, é que nestas coisas de economia:
Prognósticos, pprognósticos... só no fim do jogo!

O resto é letra!!!
Aumentos de impostos agravam a contração da econom
A sério???
É pena que não tenham ensinado isso ao Passos e ao 33rpm! O mais certo foi eles terem obtido o curso por equivalências! É o que está a dar!
Re: Aumentos de impostos agravam a contração da ec
Mentiras muito científicas
«O multiplicador» não é polémico: o que é polémico são as mentiras do FMI, entre as quais as mentiras relacionadas com o valor do multiplicador.
Segundo o RELVAS : ISTO é BOM !
É claro que o Relvas se referia ao «PICOLÈ» que chupa a mielas com o Passos de mau Coelho !
Ou será do Coelho dos maus Passos ? O tal CONEJO que entra mudo e sai calado de todas as REUNIÕES com os outros Fascistas da alegada U.E. !
"VAI FAZER PUM!"
Claro vai rebentar tudo,mas também vai rebentar o parlamento,PUM!
ENTÃO E O "SUSTO"?
Não só agrava a economia como prega sustos ás pessoas como diz o Louçã. Será que ele ainda não se apercebeu que estamos em tempo de Halloween? "Sustos" para uns, mas sempre vai havendo umas "Guloseimas" para outros.
Comentários 7 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub