18
Anterior
Reconversão: o antídoto do desemprego
Seguinte
Maria Luís Albuquerque reafirma que não sabia dos 'swap'
Página Inicial   >  Economia  >   Aumento do desemprego segue dentro de momentos

Aumento do desemprego segue dentro de momentos

Apesar do ligeiro recuo registado entre abril e maio, a evolução do desemprego em Portugal nos últimos 12 meses revela tendência de crescimento.
|

Nos últimos 12 meses o desemprego jovem em Portugal não deu sinais de recuar enquanto na população ativa entre os 25 e os 74 anos continua a revelar uma tendência de crescimento, apesar da ligeira queda registava entre abril e maio deste ano.

Segundo os dados do gabinete de estatísticas da União Europeia, hoje divulgados, no mês de maio estavam sem emprego 932 mil portugueses entre os 25 e os 74 anos e 171 mil com menos de 25 anos. (ver gráfico)

Portugal continua, assim, a apresentar a terceira taxa de desemprego mais elevada da União Europeia (17,6% em maio). Pior, só a Espanha (26,9%) e a Grécia (26,8%, dados de março), todos muito acima da zona euro (12,2%).

Focando no desemprego jovem (cidadãos ativos com menos de 25 anos), Portugal mantém terceira posição, apresentando em maio uma taxa de 42,1%. À nossa frente voltam a estar os suspeitos do costume: Grécia (59,2%, em março) e a Espanha (56,5%).



Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 18 Comentar
ordenar por:
mais votados
Sinais
A importância que se deve dar a todo este palavreado está bem descrita no comentário do Gilfonseca. Melhor que cada um, se tiver tempo e disposição, ir fazendo as suas observações e tirando algumas conclusões.

Agora, no verão, o desemprego diminui sempre, há milhares nas esplanadas e restaurantes,praias, muito emprego sazonal e , para muitos, é um balão de oxigénio para meses mais fracos.

Há sinais de melhoria , em relação ao ano passado, há muito mais gente de férias, há muito mais casas alugadas e os aldeamentos estão outra vez bem, e deixaram-se de descontos.

Ora se está melhor no Algarve, é porque está melhor no resto do país. A maioria do pessoal é português e se vieram é porque lhes sobraram uns cobres. É preciso acabar com esse choradinho do Jerónimo, das criancinhas cheias de fome, isso é falso. O verão passado foi um pouco soturno, reconheço, mas há um levantar de cabeça, que se deve saudar......
um pontito pela moral
O desemprego é até Maio,
espero que estejas certo e no entanto
Sobe e desce
Não alinho neste tipo de discussão superficial porque o que está em jogo são pessoas, famílias e carreiras profissionais que dependem do mercado de trabalho.
Uma discussão séria tanto atribui ao Governo a responsabilidade do aumento do desemprego como a diminuição, e estará alguém habilitado para garantir que os resultados conseguidos, negativos ou positivos, se devem às políticas deste executivo?
Além disso repudio que uma situação de extrema gravidade que engloba a sobrevivência básica seja motivo de chacota por parte dos fundamentalistas do costume.
!
Eu estou farto de escrever aqui que o desemprego só poderá subir. E não sou bruxo nem profeta da desgraça. Alguém vê alguma coisa a mexer no sentido do desemprego baixar? Eu apenas continuo a ver empresas a falir e despedimentos coletivos a acontecer. A corja em vez de se preocupar em criar empregos e desenvolver a economia só criou subsídios de desemprego, porque é mais fácil. Embora custe milhões os pagadores de impostos que aguentem. Depois a burocracia é o que se sabe, a corrupção idem aspas e os tribunais que não funcionam, aspas raspas. E a taxa não é maior porque centenas de milhar têm emigrado para não morrer á fome. E alguém quer criar empresas neste País de grevistas e de sindicatos comunistas?
As burrices estatísticas do costume
É só estatísticas, é só números, é só 'mercado'. Será que as 'estatísticas' do desemprego desceram porque na altura do versão, os muitos que ficaram desempregados nem se preocuparam em inscrever-se no IEFP? Porque os desempregados não subsidiados se recusaram a comparecer às reuniões de informação da treta porque nenhum direito têm? Será que emigraram mais umas dezenas de milhar (é o que eu vou fazer dentro de meses)?
Tanta estatística da treta para atirar areia para os olhos das pessoas. 'O desemprego desceu uns cagagésimos este mês..'. Como se estas coisas de medissem pela análise primária dos números. É tudo 'mercado'...
Pois, pois...
Qual será a razão?
Agora é necessário saber a razão desta descida. Hipoteses:
1- Foi criado emprego (optimista);
2- Os desempregados emigraram;
3 - Os desempregados continuam na mesma, mas deixaram de ter subsídio de desemprego e já não estão nos registos.

Seria bom esclarecer. O mais importante que a taxa de desemprego será uma avaliação entre a diferença entre o número de empregos destruídos e o número de empregos criados. E não será muito difícil saber, basta ver os registos de retenção na fonte; segurança social; sector público...
... E NÃO DESCE ?
Eu gosto destes analistas que mais não são do que "profetas da desgraça" !
Podia dizer "descida do desemprego segue dentro de momentos", mas assim fica mais bonito e sempre é mais uma notícia.
Aposto que ele até fez esta análise de "peito inchado"....
Profetas da desgraça?
A hipocrisia dos números
Os números na sua natureza são hipócritas, as estatísticas também o podem ser.
Avaliar ou reflectir uma taxa que diz apenas se está ou não empregado, simplicidade típica do preto ou branco que tolhe a critica ajuizada. Seria necessário aprofundar o olhar sobre o desemprego, nomeadamente discernir o trabalho parcial do trabalho a termo incerto e determinar o efeito da sazonabilidade, saber, por exemplo se são os algarvios que ocupam os postos gerados pelo turismo ou se acontece um fluxo migratório interno.

Importante seria também conhecer "a colheita" destes números, sabemos que, em Portugal, o IEFP revoga as inscrições a cada 6 meses obrigando a nova inscrição, uma manobra meramente política para colocar um desempregado ao largo da percentagem má.

Infelizmente a classe política não se debruça sobre estas considerações, para eles estas percentagens são uma arma, se sobe, a oposição arremessa contra o governo, se desce, dá-se arremesso inverso. A forma como analisamos estes números estará sempre condicionada pela forma como nos são apresentados, enquanto for assim, preto e branco, pouco poderemos concluir.
O quê?!
Mas que título enganador!
Mas não é só o título, vejamos, logo a abrir: "Nos últimos 12 meses o desemprego jovem em Portugal não deu sinais de recuar enquanto na população ativa entre os 25 e os 74 anos continua a revelar uma tendência de crescimento, apesar da ligeira queda registava entre abril e maio deste ano."
Observando o gráfico, pode-se ver realmente uma subida nos "últimos 12 meses" durante os primeiros 7 meses. Os 4 meses seguintes são de estabilização (há claramente um "plateau") e o último é de descida, ou, relativamente ao plateau, fica só ligeiramente abaixo (não me parece significativo). É portanto intelectualmente desonesto dizer-se que existe uma tendência para subida quando quase metade dos tais 12 meses (5 meses portanto), são de EVIDENTE estagnação do número de desempregados. Quanto ao emprego sazonal, parece-me cedo dizer que se reflete já no mês de maio. O normal é acontecer apenas entre Junho e Setembro.
Dia histórico para Portugal
A partir de ontem Portugal passou de terceiro para quarto país com mais desemprego na União!
Mas a verdade...
é que entretanto baixou. Muito pouco mas baixou. E isto deixa muito tristes os esquerdolas apologistas do quanto pior melhor. Por que se estão a marimbar para os desempregados. Apenas lhes interessa a politica da "terra queimada" e a demagogia irresponsável.
Agradeçam esse recuo aos
Milhares de desempregados temporariamente retirados das estatísticas por estarem a fazer Formação Profissional da treta , paga pela União Europeia e depois descontada vergonhosamente nos subsídios de desemprego que cada formando aufere. Ou seja a UE financia em ultima instância não os desempregados mas sim o Estado. Uma escandaleira que muito me admira não ter dado já uma grande barraca.
Dados falsos e hipocrisia
Toda a gente sabe que os números dos desempregados são manipulados no INE por ordem do governo. O Eurostat recebe os dados errados e as suas estatísticas são assim um logro.
Se toda a gente conhece isto, quem publica esses dados como certos só pode estar a gozar o Zé Povinho em conluio com a corrupção e a mentira da governação. Já é tempo que se fale na realidade, doa a quem doer.
De vez em quando um jornalista desabafa, mas o verdade não se alastra nem abre caminho.
Vejam-se estes artigos escondidos e encontrados a custo:
– 17 de Fevereiro de 2012. (Já era 14% oficialmente, mas não realmente.)
economico.sapo.pt/noticias/mais-de-um-milhao-de-portugueses-nao-tem-emprego_138473. html
– 15 de Novembro de 2012. (23%)
www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/um-milhao-sem-receber-subsidio-de- desemprego
– 15 de Novembro de 2012. (23%)
www.rtp.pt/noticias/index.php?article=603553&tm=6&layout=123&visual=61
– 14 de Fevereiro de 2013 (25% em fins de 2012, dos quais só 27% foram contados para as estatísticas do governo.)
www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/atualidade/mais-de-um-milhao-sem-subsi dio
– 14 de Fevereiro de 2013 (25%)
www.dinheirovivo.pt/Economia/Artigo/CIECO100597.html
DEPENDE DO CARTÃO DE MILITANTE.
O PSD E CDS TEM COMBATIDO FEROZMENTE O DESEMPREGO DOS SEUS BOYS.
Comentários 18 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub