0
Anterior
Concerto com Mário Laginha a favor dos animais de rua
Seguinte
Links de estimação de A a Z
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  O Cantinho do Smith  >   As lições de Bobina
Testemunho

As lições de Bobina

Como uma cadela aprendeu as regras de comportamento e convivência e, em troca, ensinou à dona que a felicidade reside em gestos tão pequenos como a alegria genuína de um cão ao ver o dono chegar a casa. Todos os dias.
|
A cadela Bobina aprendeu regras de comportamento

Nos primeiros tempos da Bobina cá em casa não houve dia em que não chegasse à noite com a sensação de que os meus dias se resumiam a ralhar e a discutir: "não faças isto", "não comas aquilo", "sai do sofá"... dias a fio em que esgotei a palavra "NÃO!".

Vivi esse tempo com a sensação de que ter um cão se resumia a resolver problemas novos, todos os dias. O momento de viragem na minha cabeça deu-se no dia em que os vizinhos do lado se queixaram da Bobina ladrar muito. Quando atacaram a Bobina, eu saltei para a defender, sem pensar.

Tal como no dia em que, um ano mais tarde, aquele cão gigante deu uma dentada na coxa da Bobina. Naquele momento percebi que o meu papel era defendê-la e que a minha liberdade estava condicionada. Aquela cadela não precisava apenas de um tecto. Tomei uma decisão: ia educar a Bobina e adoptá-la para o que desse e viesse. Primeiro passo: pedir conselhos a quem percebesse do assunto, porque na altura sabia tanto de cães como (continuo a saber) de futebol.

Dadas as primeiras instruções, tinha na mão tudo o que precisava para me entreter no ano seguinte. Nos meses que se seguiram, a minha vida deu uma volta de 180 graus. Passei a ir directa do trabalho para casa. Deixei as tardes na esplanada com os amigos, deixei de sair à noite, deixei de passar fins-de-semana fora. Eu estava focada numa missão que exigiu 300 por cento da minha atenção e da minha disponibilidade.

O que a Bobina aprendeu


E assim fiz: ensinei a Bobina a não ladrar quando saio de casa. Ensinei-lhe que a dona vai trabalhar, mas que volta sempre. Ensinei-lhe que o xixi e o cocó se fazem lá fora. Ensinei-a a sentar e a estar quieta. Ensinei-a quando são horas de correr e quando é altura de voltar para a dona. Ensinei-a a dar beijinhos. Ensinei-a a viajar de carro. Ensinei-a a dormir na cama dela. Ensinei-a a deixar-me tratar dela quando está doente. E muito mais. Ela aprendeu tudo.

A mim, a Bobina ensinou-me que, na vida, tudo passaria a ser mais fácil se aprendesse que a felicidade reside em gestos tão pequenos, como a alegria genuína de um cão ao ver o dono chegar a casa. Todos os dias. Agora, quase dois anos depois, a minha vida voltou ao normal.

A Bobina já faz parte da família e está feita a cadela mais sociável, mais querida e mais simpática do mundo. E eu sinto um orgulho sem fim em ter contribuído para isso. Foi com essa ternura imensa que me conquistou e que conseguiu fazer com que eu deixasse de me sentir independente, pela primeira vez na vida.

Porque, correndo o risco de parecer egoísta, com a Bobina sinto que, também pela primeira vez, passei a ter algo realmente meu. Nas primeiras férias em que me separei dela, chorei todo o caminho no regresso a casa. Passei os primeiros dias com o coração apertado. No dia em que a fui buscar e me deparei com a festa que me fez à chegada, percebi que metade da minha independência tinha ido à vida. A outra metade, vai-se desvanecendo diariamente.

A Bobina está sempre presente. Já pode ir a casa da minha mãe e dos meus avós. Para a Avó Glória, a Bobina é a Princesa ou a Fofinha. Diz que "Bobina, não é um nome suficientemente querido para ela". Deixa saudades por onde passa.

O que eu digo hoje a quem me demonstra vontade ou receio de ter um cão, é que há duas coisas essenciais no meio disto tudo: é preciso ter tempo para o cão. E, mais do que um quintal, o cão precisa é do dono por perto, o mais possível. O resto, vai com o tempo.

Foi assim que a Bobina conquistou o espaço dela cá em casa, para estar neste momento a dormir, no sofá, ao meu lado.

Acompanhe as aventuras da Bobina em 

http://apensarmorreumburro.blogspot.com


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub