0
Anterior
Concerto com Mário Laginha a favor dos animais de rua
Seguinte
Links de estimação de A a Z
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Atualidade  >  O Cantinho do Smith  >   As lições de Bobina
Testemunho

As lições de Bobina

Como uma cadela aprendeu as regras de comportamento e convivência e, em troca, ensinou à dona que a felicidade reside em gestos tão pequenos como a alegria genuína de um cão ao ver o dono chegar a casa. Todos os dias.
|
A cadela Bobina aprendeu regras de comportamento

Nos primeiros tempos da Bobina cá em casa não houve dia em que não chegasse à noite com a sensação de que os meus dias se resumiam a ralhar e a discutir: "não faças isto", "não comas aquilo", "sai do sofá"... dias a fio em que esgotei a palavra "NÃO!".

Vivi esse tempo com a sensação de que ter um cão se resumia a resolver problemas novos, todos os dias. O momento de viragem na minha cabeça deu-se no dia em que os vizinhos do lado se queixaram da Bobina ladrar muito. Quando atacaram a Bobina, eu saltei para a defender, sem pensar.

Tal como no dia em que, um ano mais tarde, aquele cão gigante deu uma dentada na coxa da Bobina. Naquele momento percebi que o meu papel era defendê-la e que a minha liberdade estava condicionada. Aquela cadela não precisava apenas de um tecto. Tomei uma decisão: ia educar a Bobina e adoptá-la para o que desse e viesse. Primeiro passo: pedir conselhos a quem percebesse do assunto, porque na altura sabia tanto de cães como (continuo a saber) de futebol.

Dadas as primeiras instruções, tinha na mão tudo o que precisava para me entreter no ano seguinte. Nos meses que se seguiram, a minha vida deu uma volta de 180 graus. Passei a ir directa do trabalho para casa. Deixei as tardes na esplanada com os amigos, deixei de sair à noite, deixei de passar fins-de-semana fora. Eu estava focada numa missão que exigiu 300 por cento da minha atenção e da minha disponibilidade.

O que a Bobina aprendeu


E assim fiz: ensinei a Bobina a não ladrar quando saio de casa. Ensinei-lhe que a dona vai trabalhar, mas que volta sempre. Ensinei-lhe que o xixi e o cocó se fazem lá fora. Ensinei-a a sentar e a estar quieta. Ensinei-a quando são horas de correr e quando é altura de voltar para a dona. Ensinei-a a dar beijinhos. Ensinei-a a viajar de carro. Ensinei-a a dormir na cama dela. Ensinei-a a deixar-me tratar dela quando está doente. E muito mais. Ela aprendeu tudo.

A mim, a Bobina ensinou-me que, na vida, tudo passaria a ser mais fácil se aprendesse que a felicidade reside em gestos tão pequenos, como a alegria genuína de um cão ao ver o dono chegar a casa. Todos os dias. Agora, quase dois anos depois, a minha vida voltou ao normal.

A Bobina já faz parte da família e está feita a cadela mais sociável, mais querida e mais simpática do mundo. E eu sinto um orgulho sem fim em ter contribuído para isso. Foi com essa ternura imensa que me conquistou e que conseguiu fazer com que eu deixasse de me sentir independente, pela primeira vez na vida.

Porque, correndo o risco de parecer egoísta, com a Bobina sinto que, também pela primeira vez, passei a ter algo realmente meu. Nas primeiras férias em que me separei dela, chorei todo o caminho no regresso a casa. Passei os primeiros dias com o coração apertado. No dia em que a fui buscar e me deparei com a festa que me fez à chegada, percebi que metade da minha independência tinha ido à vida. A outra metade, vai-se desvanecendo diariamente.

A Bobina está sempre presente. Já pode ir a casa da minha mãe e dos meus avós. Para a Avó Glória, a Bobina é a Princesa ou a Fofinha. Diz que "Bobina, não é um nome suficientemente querido para ela". Deixa saudades por onde passa.

O que eu digo hoje a quem me demonstra vontade ou receio de ter um cão, é que há duas coisas essenciais no meio disto tudo: é preciso ter tempo para o cão. E, mais do que um quintal, o cão precisa é do dono por perto, o mais possível. O resto, vai com o tempo.

Foi assim que a Bobina conquistou o espaço dela cá em casa, para estar neste momento a dormir, no sofá, ao meu lado.

Acompanhe as aventuras da Bobina em 

http://apensarmorreumburro.blogspot.com


Opinião


Multimédia

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub