5
Anterior
Durão Barroso anti-imperialista rumo às presidenciais de 2015
Seguinte
Mário Soares: um problema chamado Nicole Fontaine
Página Inicial   >  Blogues  >  É preciso topete  >   As entidades reguladas pelo PSD e PS

As entidades reguladas pelo PSD e PS

|

Miguel Relvas foi formalmente ilibado pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social por três votos a favor e dois contra. Quem votou a favor foi escolhido ou convidado para a entidade pelo PSD. Quem votou contra foi indicado pelo PS.

É nestas alturas que vem ao de cima a partidarização quase absoluta da vida portuguesa. Que credibilidade oferece uma deliberação tomada nestas condições?

Está próxima a decisão do Tribunal Constitucional sobre o corte dos subsídios de férias e de Natal na Função Pública. Mas, qualquer que ela seja, que credibilidade pode oferecer quando a composição do órgão  é traçada a régua e esquadro pelo PSD e PS, atendendo aos seus interesses políticos.  Ainda há um mês, o PS sugeriu o nome do juiz Artur Marques. Mas o PSD vetou. Uma e outra posição têm a mesma  causa: o juiz Artur Marques mamifestou-se publicamente contra o corte nos subsídios.

Pinto Monteiro está de saída da Procuradoria Geral da República. Foi uma escolha pessoal de José Sócrates em 2006. Criticado pela gestão do caso Freeport, que não conduziu à constituição como arguido do líder socialista e primeiro-ministro, é hoje um homem só perante o novo poder PSD/CDS, que só espera vê-lo por detrás das costas em Outubro, quando acaba o mandato. Virá depois um novo PGR, escolhido pelo governo. Não há muitas ilusões. Mudam os protagonistas, devem surgir novos laços de fidelidade. Tudo piorou, quando o ex-PGR Souto Moura, escolhido pelo PS (com a luz verde do PSD) se atreveu a tratar o caso Casa Pia como se a justiça fosse cega e atingiu quem o nomeara.  


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 5 Comentar
ordenar por:
mais votados
JUIZES EM CAUSA PRÓPRIA NÃO DÁ!
Por juizes a julgarem politicos da mesma cor partidária dá nisto. É o mesmo que roubar galinhas e entregá-las ao dono!A justiça portuguesa no seu melhor! Será que a cor partidária só é válida no julgamento de politicos? Ou também interfere nos julgamentos do ZÉ? :-D
Re: Mas..quais "juízes"?Qual "justiça portuguesa"?
Resultados à tangente
Quando a coisa é assim dividida o resultado são sempre vitórias à tangente, a não ser que algum dos comissários esteja a dormir, ou o inimigo seja do PCP.
Parabens
Gostei da sua croniqueta senhor Paulo Gaião. Breve e objectiva por comparação com um frango que escreve banalidades sobre a ERC.
Alguém paga isto?
Alguém lhe paga para escrever estas cagadas? Se pagam, são muito mais burros que quem as escreve.
Comentários 5 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub