8
Anterior
Resgate de Madrid: o pânico da desintegração de Espanha
Seguinte
Ética protestante regada a gasolina
Página Inicial   >  Blogues  >  É preciso topete  >   As comissões administrativas de Rui Rio

As comissões administrativas de Rui Rio

|
Rui Rio, que por vezes gosta de remar contra a maré, tinha várias frentes para o fazer em matéria de autarquias.

O governo, no papel de troika,  vai emprestar dinheiro aos municípios mais endividados para estes pagarem aos fornecedores e recomeçarem a vida de novo. O governo devia aproveitar para exigir reformas profundas nessas câmaras e a diminuição a fundo da despesa. Em vez disso, o memorando de Passos Coelho e Miguel Relvas aos municípios obriga-os a aumentarem os impostos e o preço da água. Quem paga? Os munícipes contribuintes.

PSD e PS parece que já se entenderam para reduzirem o número de juntas de freguesia e salvarem a face em relação às exigências do programa da troika (a verdadeira).

As juntas de freguesias precisam de ser reduzidas? Precisam! Mas atacam o elo mais fraco, homens e mulheres dedicados às suas gentes, muitos deles independentes, com o contacto mais próximo de todos com os seus eleitores, mas que trazem poucos benefícios à lógica de poder do PS e PSD, onde os concelhos, sobretudo os grandes concelhos são importantes linhas de retaguarda (por vezes autênticas fortalezas) para tomarem de assalto o poder central.

É por isso que PS e PSD mexem nas freguesias mas não querem reduzir o número de concelhos. Mesmo que o memorando da troika seja muito claro sobre a matéria: os municípios e freguesias têm "de ser reduzidos significativamente".

Em vez de incumprir o memorando o governo devia estar a ir muito para além da troika em matéria de reforma administrativa. Reduzir significativamente freguesias e municípios e partir finalmente para a regionalização.

Muitas frentes de ataque estavam ao dispor de Rui Rio mas este preferiu afundar-se no tema maldito das comissões administrativas não eleitas para penalizarem os concelhos devedores que recorram aos empréstimos do Estado.

Só ficou acompanhado pela junta militar do golpe de 1926, do general Gomes da Costa, que nomeou comissões administrativas quando chegou ao poder para substituir os órgãos municipais da I República. Eram para ser provisórias mas ficaram dez anos, sempre nomeadas ministerialmente. Depois, já com Salazar instalado, não foi muito diferente. Quando esperanças como Rui Rio continuam a dar tiros nos pés, o país afunda mais um pouco.           


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
Reformas
Boa radiografia do problema. Os viveiros dos políticos não podem afectados. Vão eliminar algumas freguesias, geridas por voluntários não pagos, que são o orgão administrativo mais próximo das populações, que encaminha e ajuda idosos, crianças,ensina a preencher papéis,etc.
  Essas são dispensáveis, não afectam a escola de quadros donde saem os futuros barões, que vão tratar da sua vida à conta dos munícipes.

Os deputados da AR são uma emanação dessa gente e não podem lutar contra os seus patronos e sucessores.

A saída de Rui Rio, foi infeliz. Ladrão e incompetente ou não, o presidente tem que ser eleito.
Rio quer ser ministro
Mas não chega lá: abriu guerra a Pinto da Costa e isso foi-lhe fatal.
Re: Rio quer ser ministro
Re: Rio quer ser ministro
Re: Rio quer ser ministro
Re: Rio quer ser ministro
NÃO CONCORDO COM A OPINIÃO DO ARTICULISTA..
Apesar de ter razão nas coisas apontadas onde se poderia reformar, não deixa de ser importante q as autarquias endividadas fossem substituídas por pessoal da sociedade civil para melhor gerir a coisa pública. Alás, as autarquia n têm de ser des governadas pelos partidos, deviam ser geridas eleitoralmente pela sociedade civil. Também a mesma sociedade civil devia ter direito a eleger 55% dos 130 deputados da futura AR , para q os partidos deixassem de destruir o país e acabassem com o enriquecimento ilícito .Os partido passavam a vigiar coisa q agora n fazem. A coisa é tão importante , q mesma agora devíamos ter um governo de uma comissão administrativa como a Itália e a Grécia. A ideia de R Rio foi uma das coisas melhor pensada e dita nos últimos anos em politica.
Muita parra, pouca uva
basta ver em que estado está a cidade, se não fossem os turistas descarregados pelas "low cost" e alguns empresários da restauração/turismo então é que seria uma completa desgraça.
Comentários 8 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub