8
Anterior
Resgate de Madrid: o pânico da desintegração de Espanha
Seguinte
Ética protestante regada a gasolina
Página Inicial   >  Blogues  >  É preciso topete  >   As comissões administrativas de Rui Rio

As comissões administrativas de Rui Rio

|
Rui Rio, que por vezes gosta de remar contra a maré, tinha várias frentes para o fazer em matéria de autarquias.

O governo, no papel de troika,  vai emprestar dinheiro aos municípios mais endividados para estes pagarem aos fornecedores e recomeçarem a vida de novo. O governo devia aproveitar para exigir reformas profundas nessas câmaras e a diminuição a fundo da despesa. Em vez disso, o memorando de Passos Coelho e Miguel Relvas aos municípios obriga-os a aumentarem os impostos e o preço da água. Quem paga? Os munícipes contribuintes.

PSD e PS parece que já se entenderam para reduzirem o número de juntas de freguesia e salvarem a face em relação às exigências do programa da troika (a verdadeira).

As juntas de freguesias precisam de ser reduzidas? Precisam! Mas atacam o elo mais fraco, homens e mulheres dedicados às suas gentes, muitos deles independentes, com o contacto mais próximo de todos com os seus eleitores, mas que trazem poucos benefícios à lógica de poder do PS e PSD, onde os concelhos, sobretudo os grandes concelhos são importantes linhas de retaguarda (por vezes autênticas fortalezas) para tomarem de assalto o poder central.

É por isso que PS e PSD mexem nas freguesias mas não querem reduzir o número de concelhos. Mesmo que o memorando da troika seja muito claro sobre a matéria: os municípios e freguesias têm "de ser reduzidos significativamente".

Em vez de incumprir o memorando o governo devia estar a ir muito para além da troika em matéria de reforma administrativa. Reduzir significativamente freguesias e municípios e partir finalmente para a regionalização.

Muitas frentes de ataque estavam ao dispor de Rui Rio mas este preferiu afundar-se no tema maldito das comissões administrativas não eleitas para penalizarem os concelhos devedores que recorram aos empréstimos do Estado.

Só ficou acompanhado pela junta militar do golpe de 1926, do general Gomes da Costa, que nomeou comissões administrativas quando chegou ao poder para substituir os órgãos municipais da I República. Eram para ser provisórias mas ficaram dez anos, sempre nomeadas ministerialmente. Depois, já com Salazar instalado, não foi muito diferente. Quando esperanças como Rui Rio continuam a dar tiros nos pés, o país afunda mais um pouco.           


Opinião


Multimédia

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola, em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

United Colors of Gnocchi

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Strogonoff de peixe espada preto

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Caril de banana

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Cantaril com risotto de espargos

Faz agora cinco anos que o Chefe Tiger, especialista em pratos de confeção acessível e com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, começou esta aventura gastronómica. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
Reformas
Boa radiografia do problema. Os viveiros dos políticos não podem afectados. Vão eliminar algumas freguesias, geridas por voluntários não pagos, que são o orgão administrativo mais próximo das populações, que encaminha e ajuda idosos, crianças,ensina a preencher papéis,etc.
  Essas são dispensáveis, não afectam a escola de quadros donde saem os futuros barões, que vão tratar da sua vida à conta dos munícipes.

Os deputados da AR são uma emanação dessa gente e não podem lutar contra os seus patronos e sucessores.

A saída de Rui Rio, foi infeliz. Ladrão e incompetente ou não, o presidente tem que ser eleito.
Rio quer ser ministro
Mas não chega lá: abriu guerra a Pinto da Costa e isso foi-lhe fatal.
Re: Rio quer ser ministro
Re: Rio quer ser ministro
Re: Rio quer ser ministro
Re: Rio quer ser ministro
NÃO CONCORDO COM A OPINIÃO DO ARTICULISTA..
Apesar de ter razão nas coisas apontadas onde se poderia reformar, não deixa de ser importante q as autarquias endividadas fossem substituídas por pessoal da sociedade civil para melhor gerir a coisa pública. Alás, as autarquia n têm de ser des governadas pelos partidos, deviam ser geridas eleitoralmente pela sociedade civil. Também a mesma sociedade civil devia ter direito a eleger 55% dos 130 deputados da futura AR , para q os partidos deixassem de destruir o país e acabassem com o enriquecimento ilícito .Os partido passavam a vigiar coisa q agora n fazem. A coisa é tão importante , q mesma agora devíamos ter um governo de uma comissão administrativa como a Itália e a Grécia. A ideia de R Rio foi uma das coisas melhor pensada e dita nos últimos anos em politica.
Muita parra, pouca uva
basta ver em que estado está a cidade, se não fossem os turistas descarregados pelas "low cost" e alguns empresários da restauração/turismo então é que seria uma completa desgraça.
Comentários 8 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub