0
Anterior
Saiba quais são os bancos mais seguros do mundo
Seguinte
Ações da PT continuam aliciantes
Página Inicial   >  Economia  >  Bolsa e Mercados  >  Bolsa  >  Ações  >   As ações menos arriscadas do PSI-20

As ações menos arriscadas do PSI-20

Saiba quais são as ações menos voláteis do índice de referência nacional, que, no entanto, podem não ser a mais rentáveis.
|

Desde que foi criado o índice de referência nacional no final de 1992, o PSI-20, tem crescido a um ritmo de 5,24% todos os anos. É uma rendibilidade que pode deixar qualquer investidor com "água na boca", no entanto, quem anda nos mercados financeiros arrisca-se a que os seus investimentos corram mal. Uma das formas que o investidor tem para minimizar o seu risco, passa por evitar colocar os ovos todos no mesmo cesto, ou seja, diversificar a sua carteira, sendo que optar pelos títulos que mexem menos no sobe-e-desce bolsista, pode ser uma boa medida. Assim, o Dinheiro foi à procura das ações que mexem menos no índice de referência nacional.

De todas as companhias que compõem o PSI-20, as duas que menos mexem, pertencem ao setor energético, a REN e a EDP. O facto deste setor ser mais defensivo, faz com que as oscilações em bolsa sejam mais pequenas, traduzindo-se até numa volatilidade mais baixa que a média do próprio índice nacional. No entanto, apesar de serem menos voláteis que as demais, também não têm sido das mais rentáveis. Nos últimos três anos, as duas empresas já perderam cerca de 30% do seu valor. No entanto, apesar de os últimos anos terem sido preenchidos com perdas, o futuro pode ser bastante mais risonho.

As ações menos voláteis do PSI-20.
Empresa P/L P/L estimado Taxa dividendo P/VC
REN 12,63x 11,46x 6,25% 1,42
EDP 8,14x 8,42x 5,08% 1,21
Portucel 15,07x 11,96x 3,75% 1,30
Zon Multimédia 26,10x 24,60x 4% 5,23
Semapa 10,87x 12,00x 2,54% 1,05
Fonte Bloomberg. 1 de Setembro de 2010. P/L: rácio preço/lucros de 12 meses por ação; P/VC: rácio preço/valor contabilistico.

Atualmente, as duas empresas apresentam um rácio preço/lucro (P/L) estimado mais baixo do que o do setor. No caso da REN é mesmo metade, o que pode ser indicador de uma boa perspetiva futura, sustentada pelos analistas compilados na agência Bloomberg, já que a grande maioria destes recomendam "comprar", para as duas empresas. Outro fator aliciante, é o facto de ambas as empresas apresentarem uma taxa de dividendo superior a 5%.

No setor do papel, tanto a Portucel como a Semapa estão presentes nas ações menos voláteis do mercado nacional. Apesar de as duas empresas terem perdido valor nos últimos três anos, o rácio preço/lucro estimado que cada um apresenta é cerca de metade do P/L do setor, aliado ao facto de os dividendos estarem acima dos 2,5%, no caso da Semapa, e de 3,75%, no caso da Portucel, o que torna as empresas apeteciveis. Com estes indicadores, dos especialistas presentes na Bloomberg que seguem estas empresas, a esmagadora maioria recomenda "comprar", sendo que as suas estimativas apontam para uma subida do preço acima dos 20% para os próximos 12 meses. De destacar ainda o rácio preço/valor contabilístico da Semapa, que se situa muito perto de 1, tornando o cenário mais favorável à ação.

Em relação à ZON Multimédia, é também das menos voláteis do mercado, mas tem sido das que mais perdeu. Apesar de nos últimos três anos a empresa ter desvalorizado a um ritmo de 70% anualmente, os analistas compilados na Bloomberg estão confiantes numa boa recuperação, e apostam na subida das ações em mais de 30%, para os €4,21. Para isto, contribui o facto de o P/L atual ser mais baixo do que o do setor, e o P/L estimado seguir a mesma tendência de descida, aliado aos dividendos na ordem dos 4%.

 


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas

Itália endivida-se em mais €5,5 mil milhões pagando juros mais baixos de sempre

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub